Como os russos presenteiam as mulheres no dia 8 de março?

O presente mais desejado e oferecido mais vezes são as flores Foto: ITAR-TASS

O presente mais desejado e oferecido mais vezes são as flores Foto: ITAR-TASS

Pesquisa revela o que oferecem os homens atualmente e que expectativas têm as mulheres para o dia que as celebra mundialmente.

Se verifica que o Dia Internacional da Mulher perdeu definitivamente as suas raízes feministas para a maioria da população da Rússia em 1966, quando no dia 8 de março foi decretado feriado nacional na URSS.

Naquela altura, surgiu o hábito de oferecer presentes a todas mulheres. O que dão os homens atualmente? E que expectativas têm as mulheres para este dia?

Foto: ITAR-TASS

Segundo pesquisa de um dos maiores centros russos de investigação da opinião pública, o Levada Center, que desde 1977 indaga a população sobre os costumes  de festejar o dia 8 de março, a escolha não mudou muito em quase quatro décadas.

O presente mais desejado e oferecido mais vezes são as flores. Em 2012, 54% dos homens inquiridos tencionavam dá-las como presente nesse dia, enquanto apenas 45% das mulheres gostariam de recebê-las.

A título de comparação, em 1997, 41% dos homens planejavam alegrar as mulheres com flores, e 37% das mulheres queriam que isso ocorresse.

A segunda e a terceira posição são partilhadas por produtos de beleza e doces. A única diferença é que, em 1997, 22% dos homens tinham planos para oferecer perfumes e só 9% optavam por bombons, e em 2012 ambas escolhas perfizeram 19%.

O quarto lugar, na visão dos homens, é ocupado por joias. Em 2012, 12% dos inquiridos queriam oferecê-las. Entre as mulheres, 23% criaram expectativas de recebê-las, em vez de perfumes e bombons, que contaram 13%.  

A contradição mais interessante nas expectativas foi que apenas 3% dos cavalheiros tencionavam convidar as damas para o teatro ou um restaurante, ao passo que 11% destas gostariam que assim fosse, porcentagem um pouco mais baixa do que a de perfumes. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.