Fabricantes de vodca apoiam movimento LGBT

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Proprietário da marca "Stolichnaya" doou US$ 300 mil para o Centro Americano de Apoio a Gays e Lésbicas.

Depois da polêmica lei antigay ter levado ao boicote de marcas russas de vodca na Europa e nos Estados Unidos, o empresário Iúri Chefler, proprietário da Stolichnaya, tornou-se o maior patrono do movimento LGBT russo. Chefler já doou US$ 300 mil para o Centro Americano de Apoio a Gays e Lésbicas, e ainda deve destinar US$ 150 mil para o fundo Russian Fredom de apoio a ativistas gays russos.

 

Em 11 de junho de 2013, a Duma (câmara dos deputados na Rússia) aprovou uma lei que proíbe publicidade com mensagens homossexuais e "não tradicionais". A desobediência à lei pode levar a multas que variam de 4 mil a 5 mil rublos (R$ 270 a R$ 340) a pessoas físicas a 1 milhão de rublos (R$ 68 mil) a pessoas jurídicas e 50 mil rublos (R$ 3.400) a funcionários públicos.

 

"Esperamos que os 150 mil dólares que doaremos ao longo dos próximos dois anos permitam algumas mudanças positivas na vida dessas pessoas que hoje sofrem com a discriminação e o assédio", declarou John Esposito, diretor-geral nos Estados Unidos do SPI Group, proprietário da Stolichnaya. A organização Russian Freedom foi fundada nos EUA no segundo semestre de 2013 por iniciativa da Arcus Foundation, grupo beneficente que se dedica a angariar fundos para a proteção dos direitos de LGBT em todo o mundo. O fundador da Arcus Foundation é o bilionário americano John Stryker, herdeiro da Stryker Corporation, uma das principais fabricantes de equipamento médico do mundo.


De acordo com o portal Crowdrise.com O fundo Russian Freedom já arrecadou US$ 105.7 mil. O site oficial da fundação explica que o dinheiro coletado é enviado diretamente para organizações LGBT e ativistas russos "para a luta pelos direitos das minorias".

Mas o principal defensor dos direitos LGBT em Moscou, Nikolai Alekseiev, é cético quanto à possibilidade de as organizações russas receberem fundos da norte-americana. Segundo ele, vários fundos de apoio já coletaram no exterior milhares de dólares para esse fim, mas o repasse não foi feito.

"Na Rússia esse dinheiro é gasto em bobagens. Ele vai ser utilizado em salários e aluguel de escritórios", diz.

Segundo ele, no início da década de 1990, as organizações LGBT russas costumavam receber apoio financeiro do Ocidente. Os repasses, entretanto, foram utilizados em projetos que nada tinham a ver com a proteção dos direitos LGBT, como a abertura de casas noturnas gays.

O S.P.I. Group é um grupo internacional de empresas que se dedica sobretudo à fabricação e venda de bebidas alcoólicas. De origem russa e fundado com capitais russos, o SPI Group tem empresas registradas em diferentes países.

 

 

As grandes doações do fabricante da Stolichnaya para o movimento LGBT foram impulsionadas pelo boicote estimulado pela organização americana Queer Nation contra as vodcas russas após a promulgação de uma lei no país considerada antigay. A ideia foi apoiada por clubes, bares e restaurantes de diversos países.

Segundo o diretor de marketing da SPI Group, Marco Ferrari, o boicote não afetou os resultados operacionais globais da empresa. Os dados oficiais da produção de vodca do SPI Group em 2013 ainda não foram divulgados.

 

Publicado originalmente pelo site RBC Daily.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.