"Soldado do futuro" russo é equipado pelos padrões da Otan

Todos os soldados que estiverem ligados a essa rede serão exibidos em tempo real em um mapa digital Foto: ITAR-TASS

Todos os soldados que estiverem ligados a essa rede serão exibidos em tempo real em um mapa digital Foto: ITAR-TASS

A modificação do kit militar Ratnik permitirá às forças de paz russas interagir com soldados de outros países e evitar o "fogo amigo".

As unidades de manutenção da paz do exército da Rússia irão receber o "kit do soldado do futuro", especialmente adaptado para trabalhar com os exércitos da Otan. Para o equipamento de alta tecnologia Ratnik, que em breve começará a ser usado pelos soldados russos, está prevista uma modificação especial que permitirá trocar dados com unidades de outros exércitos, evitando assim o "fogo amigo" entre as forças de paz.

Quadro geral

Os protótipos do Ratnik em sua versão Otan deverão ser lançados em 2016. O kit automatizado de navegação e transmissão de informação permitirá aos membros das forças de paz russas (que incluem forças terrestres, batalhões de fuzileiros navais, da força aérea e paraquedistas) obter informações sobre o local e as atividades de tropas estrangeiras e transmitir informações sobre a sua própria localização e situação.

A rede de comunicação prevê a transmissão de ordens a cada soldado. Todos os militares, bem como os veículos blindados e veículos de combate da infantaria estarão equipados com meios de comunicação, e para monitorar tudo o que acontece e garantir o controle final haverá um painel informativo no quartel-general.

Todos os soldados que estiverem ligados a essa rede serão exibidos em tempo real em um mapa digital (de acordo com as cores de cada país) e poderão fazer anotações sobre os eventos na área patrulhada. O mapa vai combinar três tipos de representação do local: imagens de satélite, diagramas e um modelo tridimensional do terreno com maquete dos edifícios.

Comunicação protegida

Os meios de comunicação estão sendo desenvolvidos de modo a serem compatíveis com o padrão da Otan Stanag 4677. Especialistas defendem que a combinação de sistemas de comunicação é um passo necessário para a transição para as "guerras da rede" do futuro.

O especialista militar e coronel aposentado Víktor Murakhóvski explicou que se trata da adaptação aos parâmetros puramente técnicos dos padrões da Otan e que isso não vai afetar o principal, que é a criptografia de dados. "Nenhuma das partes irá divulgar esses padrões, mas você pode usar a chamada chave aberta. Essa tecnologia já é amplamente utilizada na internet", disse Murakhóvski.

Segundo ele, os algoritmos de criptografia civil serão suficientes para uma comunicação protegida em uma rede tática. Afinal a informação sobre a localização do destacamento ou comando será atualizada a cada intervalo de poucos segundos e para decifrar essa "chave aberta" são necessários meses.

Murakhóvski disse que já durante as operações conjuntas de manutenção de paz da Otan e da antiga URSS foram utilizados sistemas de comunicação compatíveis.

"Na Iugoslávia havia essa comunicação, inclusive a nível tático. Utilizava-se principalmente o diapasão VHF - dispositivos portáteis e montados em veículos blindados. Mas na época não foi criada uma conformidade com os padrões da Otan, houve apenas uma sintonia de frequências", disse o especialista.

O cientista político e especialista em segurança Aleksandr Konovalov acredita que é necessário desenvolver a cooperação: a participação em operações de paz é um dos indicadores da capacidade de desempenho de um exército.

"As ameaças de hoje ultrapassam as fronteiras, nenhum país consegue sozinho resolver esses problemas. É necessário aprender a construir tais sistemas de comunicação. Durante a sua operação em Bagdá, os americanos, que na ocasião fizeram uso do que pode ser considerada a primeira rede cêntrica, quase não sofreram baixas", diz Konovalov.

 

Publicado originalmente pelo Izvéstia

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.