Psicologia contra a vida moderna

Life coaching é prática cada vez mais popular entre os russos Foto: Getty Images/Fotobank

Life coaching é prática cada vez mais popular entre os russos Foto: Getty Images/Fotobank

Experiência soviética ensinou os russos de que era melhor sofrer do que admitir a necessidade de ajudar. Mas os tempos estão mudando.

Não é surpresa alguma que viver na Rússia é difícil. Trata-se de um país frio, os salários são baixos e o governo tende a ser indiferente com a população. No entanto, os russos tradicionalmente assumem a perspectiva de que sofrer faz parte da vida e, portanto, não vale a pena discorrer sobre isso. Recentemente, contudo, um número maior de russos começou a procurar ajuda de especialistas.

“Recorri a psicólogos e definitivamente continuarei fazendo isso”, diz Olga Gavrílova, 30, editora-chefe do canal de negócios “Uspekh” (“Sucesso”). “Nosso cérebro é um sistema tão complexo, e os psicólogos abrem todas as travas da nossa consciência com bastante cuidado.”

Gavrilova pode ser, entretanto, a exceção que prova a regra. O administrador, Dmítri Smirnov, 28, pensa que a melhor solução para qualquer problema ainda é ir ao bar com os amigos. “Tenho certeza de que isso me ajudará muito mais do que o melhor psicólogo do mundo”, defende.

Um pouco de história

A postura russa em relação à psicologia se deve parcialmente ao modo de vida sob o regime comunista. Na época soviética, as pessoas ouviam constantemente que suas vidas eram maravilhosas – e pensar de outra forma era sinal de antipatriotismo.

Após a queda da URSS, os russos foram confrontados tanto com as dificuldades da “terapia de choque” econômica, que causou a ruína do antigo padrão de vida, como com a invasão da cultura pop vinda do exterior, mostrando como era a vida em países mais afluentes. Embora essa combinação supostamente incentivasse as pessoas a procurar ajuda psiquiátrica, a realidade mostrou o contrário.

“Na União Soviética, a psicologia como ciência, cujo objetivo era desenvolver o potencial das pessoas, não era nem um pouco bem-vinda”, diz Rustam Nabiúllin, psiсoterapeuta do Centro Cultural "Punctum", em Moscou. Em vez disso, ser enviado a um psiquiatra era considerado uma forma de punição. Ainda hoje, o prefixo “psico” é um termo pejorativo no país.

De acordo com o psicoterapeuta Rustam Nabiúllin, os russos atualmente:

1)      Apresentam altíssimo nível de ansiedade

2)      Sofrem de estresse e exaustão constantes

3)      Confiam apenas em si mesmo e têm receio de pedir ajuda

4)      Consideram fraco alguém que expresse os seus sentimentos

5)      Estão sempre esperando que algo ruim aconteça

As hotlines, ou linhas diretas, para pessoas em busca de ajuda psicológica surgiram no final da década de 1980, mas o primeiro centro oficial com tal finalidade foi criado apenas em setembro de 1999 pelo Ministério para Situações de Emergência. O Centro para Ajuda Psicológica era uma espécie de departamento dentro do próprio ministério e tinha objetivo de oferecer auxílio aos funcionários do órgão que haviam trabalhado em missões difíceis, tais como ataques terroristas e acidentes de avião.

Psicologia hoje

Hoje em dia, existem sete centros de aconselhamento em Moscou que oferecem gratuitamente ajuda psicológica para os moradores da capital – o que corresponde ao número de distritos da cidade. Por outro lado, de acordo com estatísticas de 2013, há mais de 80 centros privados oficialmente registrados que prestam ajuda semelhante.

“Acho que o maior problema hoje em dia é que, no nosso país, há poucos psicólogos formados. Existem muitas pessoas que se autointitulam psicólogos, mas eles não sabem realmente como ajudar as pessoas”, diz Gavrílova. “Um bom especialista é aquele que tem anos de prática e conhece toneladas de métodos que podem ser aplicados aos pacientes.”

O jovem administrador Smirnov, no entanto, acredita que mesmo consultar-se com um bom profissional pode ter seus inconvenientes. “Quando você procura o seu psicólogo cada vez que tem algum problema, mesmo os menos importantes, você acaba se tornando viciado e não pode mais viver sem ele”, argumenta.

Como resultado, muitos jovens russos preferem recorrer à seção de livros de autoajuda nas livrarias ou procurar por obras sobre o assunto na internet. Prova disso é que o Google Rússia apresenta 12,2 milhões de resultados ao simplesmente digitar “download de livros sobre psicologia” no campo de busca. Quando a pesquisa inclui “livros de treinamento pessoal”, são mais de 600 mil páginas encontradas.

Treinamento pessoal

O “life coaching”, ou treinamento pessoal, também está sendo tornando cada vez mais popular entre os russos. Essa técnica foi introduzida nos Estados Unidos e, desde então, espalhou-se por diversas partes do mundo. Com a ajuda da internet, é fácil achar vídeos e lições on-line sobre treinamento ou contratar um “coach” (treinador) por Skype.

“Um coach profissional deve ser capaz de não apenas escutar, mas ouvir o seu cliente com atenção e fazer perguntas adequadas que ajudarão a guiar a pessoa para a resposta certa”, explica Olga Gavrílina, que atua como coach no Centro Punctum de Moscou.

O coaching pessoal como um sistema nasceu a partir da psicologia do esporte. Os atletas que treinam para se tornarem campeões precisam de uma forte motivação, e o treinador encontra maneiras de fornecer esse estímulo. Da mesma forma, o coaching psicológico desenvolvido por Marylin Atkinson ajuda as pessoas a desbloquear o seu potencial interior e a usá-lo no cotidiano.

“Às vezes, as pessoas, especialmente aqui na Rússia, pensam que essa prática é superficial. Mas, depois de trabalhar como coach por mais de cinco anos, posso assegurá-los de que lidar com potencial não explorado é, muitas vezes, bem mais difícil do que lidar com uma experiência emocional do passado”, completa a psicóloga.

Enquanto os europeus e americanos se beneficiam de um sistema bem estabelecido de programas de treinamento pessoal e metodologia psicológica desenvolvida, a Rússia parece estagnada no desenvolvimento de tais práticas. A esperança é que, considerando os grandes desafios da vida moderna, as chances de a Rússia rapidamente alcançar os demais países também sejam grandes.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.