Magos e videntes conquistam popularidade na Rússia

Foi provada a existência da percepção extrassensorial, e até os cientistas a estão estudando Foto: PhotoXPress

Foi provada a existência da percepção extrassensorial, e até os cientistas a estão estudando Foto: PhotoXPress

Os russos gastam duas vezes mais em serviços de magos e videntes de que em tratamento médico no exterior, aponta a Academia Russa de Ciências. O público é do mais variado, de jovens a médicos e professores. Especialistas explicam a forte atração pelo sobrenatural pela vontade de encontrar, com facilidade, a solução dos problemas de caráter social e pessoal.

Hoje, basta olhar para os inúmeros anúncios com ofertas de serviços milagrosos em jornais e na televisão para sentir um mal-estar. Por um preço modesto é possível recuperar o marido, curar o alcoolismo e o vício em drogas, alcançar novos patamares na carreira, casar-se e muitas outras coisas. Conforme estimativa da Academia Russa de Ciências, anualmente os russos gastam US$ 30 milhões em serviços do tipo e apenas US$ 17 milhões em tratamento médico no exterior.

Muitas vezes, Tatiana visitou videntes recomendados por amigos. No entanto, cada vez ela recebia conselhos completamente diferentes sobre no que prestar atenção. Como resultado, uma das videntes disse por acaso a seguinte frase: "Tatiana é única que pode guiar sua própria vida". O simples truque psicológico funcionou, mas não em favor dos trabalhadores do sobrenatural. Desde então, Tatiana nunca mais voltou a nenhum vidente.

Já Víktor visitou uma vidente apenas uma vez na vida. Para sua surpresa, funcionou. A mulher disse que ele precisava ter proteção no trabalho e disse que ela própria iria fornecê-la. Como resultado, no momento mais inesperado, Victor, que tinha um posto importante em um banco, adoeceu e não foi trabalhar. Naquele dia, ocorreu uma fraude financeira de 60 milhões de rublos (cerca de US$ 1,7 milhões) pela qual ele poderia ter sido responsabilizado se naquele momento não estivesse doente.

Um olhar de dentro

Vidente hereditário e parapsicólogo, Serguêi Chevtsov-Lang disse à revista “SNC” que os serviços mágicos são uma das mais antigas e mais procuradas profissões. Ele observou que nos últimos anos seus clientes mudaram: se antes entre os visitantes estavam aposentados supersticiosos, agora estão pessoas de vinte e poucos anos, professores, médicos, deputados, empresários, funcionários públicos, bibliotecários, engenheiros e policiais.

Entre os diferentes problemas estão o medo do futuro, o alcoolismo precoce e problemas psicológicos. Entre seus os clientes havia muitos ex-donos de cassino. Após a proibição dos jogos de azar, eles tentaram outros negócios: abriram, em geral, um restaurante, faliram, começaram a beber e se perderam.

Chegavam também muitos policiais que não receberam promoções durante a reforma da polícia, conta Chevtsov-Lang, que associa a popularidade do esoterismo ao fato de que "hoje em dia as pessoas costumam vir por orientação dos psicólogos e médicos que não podem ajudar".

De acordo com o psiquiatra-criminalista Mikhail Vinogradov, serviços similares foram utilizados até mesmo pelos líderes comunistas Joseph Stálin e Leonid Brejnev.

Hoje em dia, programas de TV deram muita publicidade aos temas
extrassensoriais, mostrando as pessoas competindo na tentativa de adivinhar os mistérios de acidentes e tragédias pessoais, destaca Vinogradov.

"Foi provada a existência da percepção extrassensorial, e até os cientistas a estão estudando. Por exemplo, aqui em São Petersburgo há um centro público que examina esse tema. Outra questão é como esse fenômeno é apresentado e como é percebido. Agora, no nosso país, os problemas de caráter social e pessoal pioraram. Mulheres e homens estão tentando resolver problemas pessoais com a ajuda de videntes. A instabilidade na sociedade sempre trouxe fenômenos desse tipo. É uma substituição das possibilidades verdadeiras por rituais de qualquer tipo", diz Vinogradov.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.