Namorada de Abramovitch se desculpa por 'foto racista'

Júkova: "Abomino racismo e gostaria de pedir desculpas a qualquer pessoa que tenha sido ofendido pela imagem" Foto: Reuters

Júkova: "Abomino racismo e gostaria de pedir desculpas a qualquer pessoa que tenha sido ofendido pela imagem" Foto: Reuters

Clicada para site de moda, Júkova aparece sentada sobre cadeira feita com manequim negra. Segundo ela, imagem foi compartilhada fora de contexto.

A fundadora do centro de arte contemporânea Garage e namorada de longa data do magnata Roman Abramovitch, Dacha Júkova, pediu desculpas nesta terça-feira (21) por fotografia em que está sentada sobre uma cadeira que apresenta uma mulher negra seminua.

A foto, que acompanhou uma entrevista com Júkova para o site de moda Buro247.ru, apareceu na internet na última segunda-feira (20), quando os EUA celebrava o Dia de Martin Luther King Jr. A data relembra a importância do líder dos direitos civis de afro-americanos. A imagem foi replicada por milhares de internautas, que, em sua grande maioria, a consideraram um ato racista.

Em comunicado enviado ao jornal “The Moscow Times”, Júkova diz que “essa fotografia, que vem sendo publicada completamente fora de contexto, é um trabalho de arte em alusão às políticas de gênero e raça. Abomino racismo e gostaria de pedir desculpas a qualquer pessoa que tenha sido ofendido pela imagem”.

A declaração também diz que o uso da cadeira na sessão de fotos do Buro 24/7 era “ lamentável”, sobretudo pelo fato de a publicação ser feito na mesma data em que é comemorado o Dia de Martin Luther King Jr.

A imagem mostra uma cadeira cujo formato é uma manequim negra com roupa erótica e pernas dobradas no ar. Também há uma versão “branca” da cadeira criada pelo artista norueguês Bjarne Melgaard, mas o modelo não foi usado na sessão. Melgaard teria feito uma releitura de uma peça semelhante produzida por Allen Jones em 1969.

Marcia Simpson-James, diretora da ONG Instituto Carbon Philter, acusou Júkova de promover valores escravagistas. “ Acreditamos que a polícia russa deveria encontrar o artista falsa que causou tamanha ofensa e prendê-lo por crime internacional”, declarou em carta aberta a Júkova e Abramovitch.

A imagem e a entrevista ficaram disponíveis no site até terça-feira, mas a foto que aparecia na conta de Instagram de Miroslava Duma, fundador do Buro 24/7, havia sido removida.

O site de moda disse que defende direitos iguais para todas as pessoas, e pediu desculpas ao público em sua página no Facebook. “O Buro 24/7 é contra o racismo e qualquer elemento que provoque humilhação”, diz a mensagem. “A cadeira apresentada na foto deve ser vista apenas como uma obra de arte contemporânea. Pedimos desculpas se as fotos postas insultaram os nossos leitores.” 

 

Publicado originalmente pelo The Moscow Times 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.