Mulher-bomba deixa 18 mortos em estação de Volgogrado

Atentado em estação central de Volgogrado pretende "manchar" imagem do país, segundo autoridades Foto: RIA Nóvosti

Atentado em estação central de Volgogrado pretende "manchar" imagem do país, segundo autoridades Foto: RIA Nóvosti

Neste domingo (29), cidade no sul do país foi alvo de segundo atentado terrorista em dois meses. Medidas de segurança foram reforçadas nas estações ferroviárias e aeroportos do país.

Seis semanas antes dos Jogos Olímpicos de Inverno, em Sôtchi, um novo atentado acometeu a cidade de Volgogrado, no sul do país, deixando as autoridades nacionais em alerta. O Kremlin atribui o incidente a radicais islâmicos do Cáucaso do Norte, que haviam prometido “manchar a imagem da Rússia” durante a competição internacional. Dois meses atrás, uma mulher-bomba havia explodido um ônibus de passageiros na mesma cidade.

“A explosão foi tão forte que todo o prédio estremeceu”, conta Vassilissa Vasilieva, que trabalha em uma cozinha no prédio em frente à estação. “Corremos para fora, onde tinha gente deitada nos degraus da entrada principal.  A explosão estourou todas as vidraças e, das janelas do segundo andar da parte central, saía uma densa fumaça negra.”

O comitê que comanda as investigações adiantou que Oksana Aslanova, 26 anos, teria sido responsável pela explosão. Pelas testemunhas, ela colocou a mala em cima da esteira rolante com o dispositivo de raio-X, como todo mundo faz na entrada do edifício da estação, e em seguida passou pelo detetor de metais, momento em que se deu o atentado.

As primeiras ambulâncias e bombeiros chegaram ao local alguns minutos depois da explosão. De acordo com dados preliminares, pelo menos 18 pessoas morreram na explosão e 40 ficaram feridas. “As pessoas começaram imediatamente a saltar pela janela. Não dava vontade de olhar para o local da explosão: só dava para ver vidros e sangue”, relata Ivan Konoválov, que seguia a caminho de Uliánovsk.

Pouco tempo depois do atentado, o presidente Vladímir Pútin ordenou aos serviços federais “todas as medidas necessárias para estabelecer as causas e as circunstâncias” do incidente e “garantir a segurança” na área. A polícia federal reforçou o patrulhamento e nas principais estações de trem e aeroportos do país, e o governo regional elevou o nível de alerta terrorista para “amarelo”, o segundo mais alto.

Enquanto as chegadas e partidas de trens eram desviadas para a estação ferroviária nos arredores da cidades, o governador da região, Serguêi Bojenov, informou que as famílias de todas as vítimas receberão uma indenização no valor de um milhão de rublos (US$ 30 mil) do fundo de reserva da região de Volgogrado.

“As instituições médicas da cidade têm tudo o que precisam para socorrer as vítimas. Também estamos em contato com os hospitais da capital e, se houver necessidade, enviaremos feridos para Moscou”, acrescentou Bojenov.

 

Publicado originalmente pela Rossiyskaya Gazeta

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.