Infecção por HIV na Rússia cresceu 7% em 2013, aponta relatório

Neste domingo (1), é celebrado o Dia Mundial de Combate à Aids

Neste domingo (1), é celebrado o Dia Mundial de Combate à Aids

Ausência de educação sexual nas escolas é vista como uma das causas para índices alarmantes.

Mais de 143 mil russos morreram de doenças relacionadas com o vírus HIV desde que os registros passaram a ser computados, informou Vadim Pokrovski, chefe do Centro Federal russo de luta contra a Aids, esta semana. Segundo ele, 20 mil pessoas morreram de complicações por HIV só em 2012.

A desenfreada dependência a drogas e a falta de esforço para melhorar a educação sexual têm impossibilitado a Rússia de lutar contra uma epidemia de Aids observada desde a queda da União Soviética.

Pokrovski disse que 780 mil pessoas na Rússia estão atualmente registradas como HIV-positivas, e que 51 mil desses casos foram registrados este ano.

Outro relatório publicado pelo Serviço Federal de Proteção ao Consumidor no início deste mês diz que o índice de infecção por HIV na Rússia cresceu 7% em 2013.

O relatório informa também que agulhas compartilhadas por usuários de drogas continuam a ser a principal causa de infecção, respondendo por 58% de todos os novos casos, seguido pelo contato sexual heterossexual (40%).

O número de dependentes de drogas na Rússia, segundo o governo, é estimado em 8,5 milhões de pessoas, o equivalente a quase 6% de toda a população.

Os esforços para reduzir a disseminação do vírus HIV têm sido dificultados pela relutância das autoridades em aumentar a conscientização sobre as doenças sexualmente transmissíveis. De um modo geral, as escolas oferecem pouca ou nenhuma educação sexual.

O ouvidor público para a vara infantil, Pável Astakhov, declarou em setembro sua oposição ao ensino sobre saúde sexual nas escolas, alegando que a literatura russa é “a melhor forma de educação sexual existente”.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow News

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.