Motoqueiros bem-comportados

O presidente russo Vladímir Pútin se uniu ao Lobos da Noite em uma manobra publicitária acolhida com entusiasmo pelo clube Foto: AP

O presidente russo Vladímir Pútin se uniu ao Lobos da Noite em uma manobra publicitária acolhida com entusiasmo pelo clube Foto: AP

Antes visto como subversivo, clube de motoqueiros Lobos da Noite agora promove “valores tradicionais”.

Fundado em maio de 1989, o clube de motoqueiros Lobos da Noite nasceu em meio à cultura do rock antissoviético na década de 1980, época em que o grupo se autoproclamava pró-liberdade e contrário ao sistema.

Durante anos, esses homens ostentando longas barbas e barrigas de cerveja, sempre vestidos com couro preto e calças jeans, compunham o único grupo de motoqueiros do país. Hoje, embora seja apenas mais um entre tantos outros, ainda é o maior clube de motos da Rússia, reunindo mais de 5.000 membros.

O manifesto do Lobos da Noite refuta todas as leis e fala do poder da fraternidade. Inspirado no norte-americano Hell’s Angels, o Lobos da Noite é, entretanto, muito diferente dos clubes e gangues de motoqueiros de outros lugares do mundo, e não chegou a manchar sua reputação.

Em termos de ideologia, o grupo vem se aproximando das autoridades russas e mantém ligações próximas com o presidente Vladímir Pútin. Além disso, seus líderes são cada vez mais conhecidos pela adoção de uma retórica nacionalista e pelos valores conservadores.

Publicidade varonil 

A primeira visita de Pútin ao Lobos da Noite aconteceu no clube Sexton, em Moscou, em 2009, e foi encarada por críticos do governo como mais uma das acrobacias publicitárias do presidente.

Imagens de Pútin sobre uma moto gigantesca cercado de membros do Lobos da Noite ganharam as manchetes durante seu governo como primeiro-ministro e mais tarde como presidente.

Passo-a-passo de aceitação no Lobos da Noite

1. Os aspirantes a lobos – apenas homens heterossexuais são aceitos – devem ter espírito aventureiro e não possuir obrigações familiares e de trabalho que possam impedi-los de passar tempo com o clube.

2. Para começar, é preciso ter sua própria moto, o que nem sempre sai barato. O triciclo Harley-Davidson usado por Pútin em um show de motos em Sevastopol, por exemplo, custa mais de US$ 20 mil.

3. O futuro lobo precisa demonstrar sua lealdade e comprometimento, esperando cinco anos antes de se tornar um membro e poder vestir o emblema do grupo em sua jaqueta de couro.

Em julho passado, Pútin chegou a deixar o líder ucraniano Víktor Ianukovitch esperando por quatro horas enquanto estava em reunião com o tatuado líder dos lobos, Aleksandr Zaldostanov, também conhecido pelo apelido de “Cirurgião”.

“Quero que a gente continue sendo um clube patriótico para servir de exemplo para os jovens e fazer algo por nossa pátria, que perdemos comprando jeans e chicletes, e nos vendendo para o McDonald’s”, diz Zaldostanov.

“O Lobos da Noite é mais do que um clube de motoqueiros. É um fenômeno, algo que faz com que os presidentes venham até nós e o Patriarca [da Igreja Ortodoxa Russa] nos dê a sua bênção”, acrescenta.

Zaldostanov não esconde as relações do grupo com Pútin e o elogia por suas tentativas patrióticas de devolver à Rússia sua antiga grandeza. Neste ano, o líder do grupo chegou a organizar um festival patriótico em Stalingrado durante a cerimônia que marcou o maior bombardeio da cidade por nazistas, em 23 de agosto de 1942.

Ele também está se tornando cada vez mais famoso pela retórica antiamericana e críticas ao que considera “valores ocidentais”.

O Lobos da Noite expressou indignação à manifestação punk realizada pelo grupo feminista Pussy Riot dentro da Catedral de Cristo Salvador, em Moscou, demostrando, assim, seu apoio à Igreja Ortodoxa Russa.

Os motoqueiros vêm claramente tomando um caminho bem diferente dos ideais propostos no início do clube. Depois da polêmica envolvendo as Pussy Riot, eles prometeram ajudar a proteger as catedrais ortodoxas de qualquer outro ato de “vandalismo”, como classificaram o ocorrido.

E o conservadorismo vai ainda mais longe: os lobos são publicamente homofóbicos e discriminam qualquer homossexual que queira se juntar ao clube.

A nova postura governista do Lobos da Noite certamente vem surpreendendo alguns motoqueiros russos, sobretudo aqueles de classe média que não compartilham de tais pontos de vista conservadores. 

Há ainda, contudo, motoqueiros de classe média que compraram suas Harley-Davidsons e BMWs durante o boom do petróleo russo na década de 2000 e que mostram interesse em se unir ao clube.

Em 2013, Pútin concedeu a Zaldostanov o importante título “Ordem de Honra” por seu “trabalho ativo na formação patriótica dos jovens” e por ajudar nas buscas de restos mortais dos soldados vitimados durante a Segunda Guerra Mundial. 

Além disso, um conflito com uma gangue rival no ano passado, no qual um de seus membros foi morto a tiros, não gerou qualquer mídia negativa acerca dos lobos. Supostamente, o ocorrido se deu porque o outro grupo se recusou a endossar o apoio do Lobos da Noite ao Kremlin.

Conosco ou contra nós

Evguêni Vorobiov, líder do grupo Três Vias, envolvido no tiroteio, disse depois que sua gangue havia irritado os Lobos da Noite ao deixar a aliança com eles e estabelecer laços com o clube de motoqueiros norte-americano Bandidos, que recentemente se lançou em solo russo, mas mantém um perfil discreto.

“Simplesmente não gostamos da atividade pública dos lobos”, declarou Vorobiov. “Nossos ideais são música, motos, lazer e garotas.”

Durante festival realizado para celebrar a libertação de Novorossisk na Segunda Guerra Mundial

" Vocês são ótimos. Não só se divertem andando em suas motos, mas combinam isso com atos patrióticos. É bom ver que não se esqueceram de nossos heróis de guerra.”

Félix, membro do clube:

Em entrevista no Clube de motoqueiros Sexton, em Moscou:

" Somos um grupo fechado, que tem suas próprias regras. A responsabilidade coletiva e a privacidade estão entre os princípios mais importantes. Todo membro sabe que não importa o que acontecer com ele, seja em uma delegacia de polícia ou tribunal, o clube o apoiará sempre, mesmo que tenha feito algo errado.”

Com sede em Moscou, o Lobos da Noite possui mais de 5.000 membros por todo o país, e é o maior do gênero na Rússia.

Zaldostanov, líder do clube: 

Em entrevista à rádio Liberdade:

"Lobos expressaram indignação com ação das Pussy Riot e caíram nas graças da Igreja. Clube discrimina abertamente qualquer homos-sexual que queira se tornar membro. Não adianta nos associar a política, enquanto ainda nos opomos às autoridades. Não é bom misturar patriotismo ou espiritualidade com política. Estou interessado na personalidade de Pútin. Talvez eu e ele pudéssemos ter sido amigos mais próximos se ele não fosse presidente.”

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.