Qualidade de vida dos russos melhorou na última década, diz relatório

Apesar da grande desigualdade de renda, acesso à educação apresenta bons índices na Rússia Foto: Getty Images/Fotobank

Apesar da grande desigualdade de renda, acesso à educação apresenta bons índices na Rússia Foto: Getty Images/Fotobank

Taxa de desemprego e educação mostraram progresso em estudo recente da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), embora o país tenha apresentado índices mais baixos do que a média internacional em algumas áreas.

A renda média disponível das famílias russas é de cerca de US$ 15,3 mil por ano, de acordo com o ranking Better Life (Vida Melhor), produzido pela OCDE com a participação de 34 economias desenvolvidas e em desenvolvimento. Esse índice de renda é menor do que a média de US$ 23 mil constatada pela OCDE.

Também há um “abismo considerável entre os mais ricos e os mais pobres”, diz o estudo, já que 20% da população no topo ganha nove vezes mais do que os 20% na base.

Por outro lado, a maioria dos russos (68%) têm trabalho remunerado, pouco acima da média de 66% da OCDE, e a porcentagem de pessoas desempregadas há um ano ou mais gira em torno de 2,2%, contra 3,1% da média geral.

Em termos de educação, a maioria dos russos (91%) tem o equivalente a um diploma de ensino médio, índice superior à média de 74%. No entanto, o estudo aponta que, em termos de qualidade do sistema educacional, o aluno médio russo obteve 469 pontos em interpretação de texto, matemática e ciências no âmbito do programa de avaliação da OCDE, contra 497 pontos da média geral.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow News

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.