Baryshnikov se junta ao grupo de celebridades contra “lei antigay” russa

Baryshnikov declarou que sua vida foi "imensamente enriquecida por mentores e amigos gays" Foto: ITAR-TASS

Baryshnikov declarou que sua vida foi "imensamente enriquecida por mentores e amigos gays" Foto: ITAR-TASS

Bailarino e ex-ator de “Sex and the City” lamentou perseguição aos homossexuais em comunicado publicado por ONG americana.

O bailarino Mikhail Baryshnikov se manifestou contra a “lei antigay” da Rússia, juntando-se ao grupo de celebridades que já denunciaram a iniciativa e inclui nomes como Madonna, Lady Gaga e Elton John.

“Minha vida foi imensamente enriquecida por mentores, colegas e amigos gays. Qualquer tipo de discriminação e perseguição aos homossexuais é inaceitável”, disse Baryshnikov em um comunicado publicado pela Fundação No More, uma ONG norte-americana de proteção aos direitos LGBT.

A lei, assinada pelo presidente russo Vladímir Pútin em julho, impõe multas pesadas para quem promover "relações não tradicionais" entre menores de idade. Cidadãos estrangeiros podem ser também deportados se for considerados culpados por violar a norma.

“A igualdade de tratamento das pessoas é um direito básico, e é triste ver que ainda precisamos falar sobre isso no século 21”, acrescentou Baryshnikov.

O bailarino se tornou ainda mais conhecido nos últimos anos depois de assumir o papel de namorado de Carrie Bradshaw (Sarah Jessica Parker) na série americana “Sex and the City”.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow Times

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.