Onda de protestos em Moscou evidencia falhas na política migratória do governo

Especialistas alegam que autoridades e polícia são responsáveis pelos tumultos recentes no sul da capital Foto: AP

Especialistas alegam que autoridades e polícia são responsáveis pelos tumultos recentes no sul da capital Foto: AP

Especialistas concordam que tumultos recentes no sul de Moscou poderiam ter sido evitados se as autoridades levassem em consideração as múltiplas reclamações da população em relação ao comportamento dos imigrantes da região.

Nesta segunda-feira (14), uma operação policial no armazém de legumes e verduras de Biriuliovo, bairro na região sul de Moscou, resultou na prisão de 1.200 trabalhadores de origem estrangeira, que foram detidos e encaminhados para a delegacia próxima. Durante a operação, também foi encontrado um carro com dinheiro, três pistolas traumáticas, duas facas e um taco de beisebol.

A ação da polícia foi conduzida após o conflito que causaram as manifestações em massa no fim de semana passado, quando centenas de moradores locais saíram às ruas para protestar contra o assassinato de Igor Scherbakov, 25 anos. O jovem teria sido morto a facadas na madrugada do dia 10 de outubro por um indivíduo de origem caucasiana, aumentando a revolta dos cidadãos de etnia russa contra os imigrantes legais.

“Os moradores do bairro não paravam de reclamar do alto nível de criminalidade nas proximidades do armazém, assim como da presença de armas e drogas. No entanto, as autoridades não tomaram nenhuma providência até o assassinato de um morador e os protestos de outros acontecerem”, comenta Serguêi Gontcharov, presidente da associação de veteranos das tropas especiais Alfa e deputado do Parlamento regional de Moscou.

Apesar de as forças policiais terem conseguido estabelecer a ordem na região durante os dois dias de manifestação violenta, especialistas garantem que a manutenção da atmosfera pacífica dependerá das próximas ações das autoridades, assim como da própria polícia.

Segundo Gontcharov, nem as inspeções dos armazéns de verduras e legumes de Moscou nem o fechamento do armazém em questão resolverão o problema devido à grande tensão entre os moradores e os imigrantes residentes no bairro, que vem sendo intensificada ao longo dos meses por inatividade dos órgãos públicos.

Foto: RIA Nóvosti

A opinião do deputado é compartilhada por Aslambek Paskatchev, membro da Câmara Pública e presidente do movimento social “Congresso Russo dos Povos Caucasianos”, que aponta a ausência das medidas preventivas em relação ao mau comportamento dos imigrantes como uma causa das manifestações em massa. “Os culpados pelos crimes deverão ser punidos, porém, a ausência de qualquer ação por parte da polícia cria uma atmosfera de impunidade, a população fica indignada e age contra todos os imigrantes”, explica ele.

A introdução de cotas de emprego para estrangeiros, assim como a fiscalização do conhecimento do idioma russo entre os trabalhadores envolvidos no setor de serviço, são apontadas pelos especialistas como medidas viáveis para evitar os novos conflitos.

“A política migratória continua sem regras claras, o que leva as autoridades, forças policiais e empregadores a lucrar com a imigração ilegal”, justifica Aleksandr Brod, diretor da organização sem fins lucrativos “Serviço de Proteção dos Direitos Humanos de Moscou”. “As autoridades municipais e a polícia devem ser responsabilizadas pelos acontecimentos recentes”, conclui Brod. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.