Protesto LGBT é interrompido por cossacos e religiosos em São Petersburgo

Os ativistas LGBT não conseguiram sequer chegar ao local cercado pelos opositores, que cantavam orações e atiravam moedas e água benta contra os representantes do movimento gay Foto: AP

Os ativistas LGBT não conseguiram sequer chegar ao local cercado pelos opositores, que cantavam orações e atiravam moedas e água benta contra os representantes do movimento gay Foto: AP

Manifestação em defesa dos direitos da comunidade LGBT, prevista o último sábado (12) em São Petersburgo como parte das comemorações do Dia Internacional do “Coming Out” (Dia Nacional de Sair do Armário), foi interrompida por opositores e terminou com a prisão de 67 pessoas de ambos os lados.

Organizada pelos ativistas LGBT Kirill Kalúguin e Natália Tsimbálova, com o apoio da organização Coming Out e Aliança dos Heterossexuais pela Igualdade dos Direitos LGBT, a manifestação aconteceria no Márssovo Pole (Campo de Marte), um dos locais no centro de São Petersburgo onde a realização de protestos não requer a permissão das autoridades da cidade.

No entanto, o presidente da Associação Peterburguense de Organizações de Veteranos de Guerra, Valentin Bótsvin, enviou uma carta ao Metropolita de São Petersburgo e Ládoga, Vladímir Kotliarov, pedindo ao religioso para se juntar “à guerra não declarada pelas almas frágeis de nossos filhos”.

Lei contra a propaganda das relações homossexuais entre as crianças

Desde 30 de março de 2012, uma lei em vigor na cidade de São Petersburgo proíbe a promoção de valores homossexuais entre os menores de idade. Pela norma, os infratores podem ser condenados a uma multa entre 5.000 rublos (US$ 155) a 500 mil rublos (US$ 15.500). 

Uma hora antes do início da ação, o Márssovo Póle foi cercado pela polícia de choque. Os opositores da ação, entre os quais cossacos, nacionalistas e sacerdotes, também chegaram ao local antes dos manifestantes e estavam em maior número.  Em discurso aberto, o líder dos cossacos lembrou que a Duma de Estado (câmara baixa do Parlamento russo) havia aprovado uma lei que proibia a “propaganda gay para defender a juventude”. Em seguida, a palavra foi passada a representantes religiosos, tanto cristãos como muçulmanos, que fizeram críticas duras à comunidade LGBT.

Os ativistas LGBT não conseguiram sequer chegar ao local cercado pelos opositores, que cantavam orações e atiravam moedas e água benta contra os representantes do movimento gay. Quando os militantes tentarem romper o cerco humano, a polícia de choque interveio e começou a deter tanto ativistas LGBT quanto seus opositores.

A ação em São Petersburgo com 67 pessoas presas, entre as quais ativistas LGBT, cossacos e ortodoxos. Apesar de terem sido liberados na sequência, os organizadores do protesto pretendem entrar com ação contra a polícia. “Nenhum de nossos ativistas ficou gravemente ferido, mas muitos apresentam lesões”, diz Natália Tsimbálova.

A ação anterior dos ativistas LGBT no Mársovo Pole havia sido realizada pacificamente em 6 de setembro, com a presença de 70 pessoas.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.