Barracas de acampamento para os imigrantes ilegais

Foto: ITAR-TASS

Foto: ITAR-TASS

Após extensas verificações nos mercados de Moscou, a polícia, juntamente com o Ministério para Situações de Emergência (MES) foi forçada a montar um acampamento com barracas para iimigrantes ilegais, passíveis de serem deportados. O acampamento, previsto para mil pessoas já está quase cheio. Enquanto isso, o Serviço Federal de Migração (FMS) planeja a criação de mais de 80 novos centros para imigrantes ilegais. Os especialistas julgam, no entanto, que só as batidas policiais não serão capazes de resolver o problema, sendo necessário rever a política do governo como um todo.

O acampamento, que após extensas verificações nos mercados foi apressadamente montado na parte leste de Moscou, mais parece um campo de refugiados. Duzentas barracas de lona do exército dispostas em fileiras diretamente sobre o asfalto. Os detidos,  principalmente vietnamitas, embora existam também egípcios, sírios e até mesmo os afegãos, dormem em camas beliche. Entre eles tem até uma família com uma criança pequena, que brinca na entrada da tenda. Próximo uma sólida parede formada por 100 cabines de banheiros biológicos, mais ao longe, ficam as cozinhas de campo, onde é preparado o trigo mourisco com ensopado de carne. Tudo isto é resultado do trabalho da gestão do Ministério para as Situações de Emergência de Moscou .

Os funcionários da embaixada vietnamita já expressaram insatisfação com as condições no acampamento para os imigrantes ilegais. De acordo com os diplomatas, uma mesma tenda de 50 m2 chega a abrigar até 40 pessoas, o que são “condições simplesmente desumanas”. No entanto, a principal queixa dos especialistas não se refere às condições das acomodações, mas ao fato de que o surgimento de um acampamento de barracas deve ser atribuído ao resultado de uma política incorreta.

O diretor do Instituto de Pesquisas Políticas, Sergei Markov, disse que o aparecimento deste acampamento demonstra práticas políticas não-sistêmicas com relação aos imigrantes. “Na verdade, o acampamento é uma medida temporária, uma tentativa de resolver rapidamente um problema que já existe há anos. Este fato fala sobre a fraqueza e a ineficiência do governo. Neste momento é importante decidirmos o que queremos para nós. Precisamos dos imigrantes, eles devem, porém, estar todos acomodados legalmente. É preciso entender de quem é a culpa aqui de que eles não se encontram aqui legalmente: dos próprios imigrantes ou das estruturas empresariais que os convidaram para trabalhar?”, disse ele.

Neste meio tempo, o FMS já preparou um projeto de lei, que deverá resolver o problema com o suporte aos imigrantes ilegais. O documento fundamenta a necessidade de se criar na Rússia mais de 80 centros para proporcionar suporte a estrangeiros sujeitos a deportação.

Conforme explicado pelo pesquisador do centro de estudos demográficos da Escola Graduada de Economia, Ievgeni Andreev, agora é preciso inventar maneiras de legalizar a imigração, em vez de lutar contra ela, porque é à custa dos imigrantes que se pode resolver o problema do envelhecimento da população, “De acordo com os cálculos do Rosstat [Serviço Federal de Estatística], 700 mil pessoas no país alcançam anualmente a idade da aposentadoria, o que é um número alto.  Além disso, este valor não tende a diminuir. A população continuará a envelhecer, processo este que coloca novos desafios, uma vez que os recursos trabalhistas tornam-se reduzidos. O problema do envelhecimento é um dos maiores do mundo. Não é um processo que pode se manipulado, existindo duas direções que devem ser implementadas: desenvolver uma infraestrutura para os pensionistas e convidar os imigrantes”, explica o especialista.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.