Bloodhound Gang é repudiado por ofensa à bandeira russa

Grupo norte-americano Bloodhound Gang se apresentava no clube Ibiza, na cidade ucraniana de Odessa Foto: Getty Images

Grupo norte-americano Bloodhound Gang se apresentava no clube Ibiza, na cidade ucraniana de Odessa Foto: Getty Images

Baixista da banda americana enfiou bandeira nas calças antes de lança-la à plateia na Ucrânia. Grupo que se apresentaria em festival de rock na Rússia alguns dias depois deixou o país sob protesto de nacionalistas.

No último dia 31 de julho, o grupo norte-americano Bloodhound Gang se apresentava no clube Ibiza, na cidade ucraniana de Odessa, quando o baixista da banda, Jared Hasselhoffmann, enfiou a bandeira russa nas calças, tirou pelo outro lado e atirou-a no público. “Não digam a Pútin”, disse ele. Logo na sequência, o vocalista do grupo declarou que não aprovava a atitude, porque “a Rússia é melhor do que os EUA”.

Mas é claro que o incidente não passou batido. O vídeo com essas imagens foi parar na internet e causou uma forte reação, tanto das autoridades quanto dos cidadãos russos, sobretudo porque o Bloodhound Gang iria se apresentar no festival de rock Kuban, na região de Krasnodar, em 2 de agosto.

Logo após o aparecimento do vídeo na rede, Robert Schlegel, deputado da Duma (câmara dos deputados na Rússia) pelo partido governista Rússia Unida, declarou que o grupo deveria ser deportado da Rússia.

O ministro da Cultura, Vladímir Medínski, também postou em seu Twitter que havia falado com os governantes da região de Krasnodar, e Bloodhound Gang já estava “fazendo as malas”. O show do Bloodhound Gang no Kuban foi realmente cancelado pelos organizadores do evento, apesar do grupo ter chegado ao local da apresentação na cidade de Anapa.

Em entrevista coletiva à imprensa local, o baixista se desculpou e justificou a atitude. “Tudo o que sai de cena passa pelas calças do baixista”, disse. Mas o governador da região de Krasnodar, Aleksandr Tkatchev, sugeriu em seu blog que os integrantes da banda usassem essas desculpas para “se limpar”.

Na saída do hotel, jovens ativistas começaram a jogar ovos e tomates no grupo e, já na sala vip do aeroporto de Anapa, algumas pessoas mascaradas e vestidas com uniformes de cossacos tentaram engatar uma briga. O tumulto teve que ser interrompido por policiais.

O embaixador dos EUA na Rússia, Michael McFaul, qualificou a atitude do baixista como “repugnante”, mas também recriminou os atos de violência contra o Bloodhound Gang.

A assessoria de imprensa do Ministério do Interior informou que a polícia abriu um processo criminal por ultraje à bandeira russa. Entretanto, como a apresentação aconteceu fora do território russo, não houve instrumentos jurídicos para reagir ao ato. “Os órgãos de aplicação da lei russos poderão apenas enviar uma petição aos seus colegas ucranianos, para que no futuro eles reprimam semelhantes atos”, disse Konstantin Trapaidze, presidente da Associação de Advogados “Seu Assessor Jurídico”, ao jornal “Izvéstia”.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.