Moscou tenta emplacar imagem de paraíso gastronômico

Estima-se o dobro de estabelecimentos já em 2016 Foto: Antonio Fragoso

Estima-se o dobro de estabelecimentos já em 2016 Foto: Antonio Fragoso

Relatório elaborado pelas autoridades locais aponta falta de opções no mercado de alimentação em Moscou. Em comparação com outras grandes cidades, Moscou tem 1 restaurante para cada 1.570 pessoas, Londres possui um estabelecimento para cada 580 pessoas, e Tóquio um para 90 pessoas.

Para mudar a atual situação, a prefeitura propõe a criação de uma marca registada “cozinha moscovita”, além da inauguração de cafés e restaurantes de qualidade a fim de melhorar a imagem gastronômica da cidade.

Também estão sendo consideradas a abertura de uma rede fast food e de cafés itinerantes, o desenvolvimento de faculdades de culinária para formação de especialistas em alimentação pública e a criação de museus, teatros gastronômicos e festivais de cozinha russa.

O plano das autoridades prevê a abertura de um grande mercado atacadista, que será localizado na região de Nóvaia Moskva e onde serão vendidos produtos de fornecedores e fabricantes russos.

Além disso, a prefeitura propõe o lançamento de um serviço destinado aos turistas estrangeiros chamado de “refeições caseiras”. Trata-se de um do banco de dados com os moradores da cidade dispostos a convidar um estrangeiro tanto para provar comida caseira em sua casa, como para ensiná-lo alguns pratos tradicionais.

Levando em consideração a falta dos espaços disponíveis na capital russa, as autoridades pretendem usar lugares alternativos, como telhados de edifícios residenciais e de bibliotecas. “A prefeitura dará prioridade à abertura dos estabelecimentos ao lado das bibliotecas com grande número de visitantes no centro da cidade”, afirma Aleksandr Ivanov, vice-diretor do departamento de Comércio e Serviços da prefeitura.

A solução para o principal problema de falta de espaços disponíveis será reduzir em um quarto os preços de aluguel de todos os espaços municipais destinados à alimentação pública. Segundo Ivanov, as respectivas negociações com o departamento de Propriedade da cidade de Moscou já começaram.

“Não há muitas opções, porém temos lugares suficientes”, diz o administrador público. “Muitas vezes são leiloados os espaços comerciais de uso universal que serão alugados pelos bancos ou lojas, porque os pequenos cafés não conseguem ganhar a concorrência.”

Ivanov não excluiu a possibilidade de utilizar a experiência de estrangeiros, como Toronto e Londres, referente à criação de um conselho de alimentação pública será responsável pelo acompanhamento do plano de ação.

Arkádi Nóvikov, dono de restaurantes em Moscou e Londres, notou que as autoridades já tomaram medidas para agilizar o processo de autorização de abertura de novos restaurantes e espaços externos de verão, assim como de emissão das licenças para venda de bebidas alcoólicas. “Os obstáculos burocráticos diminuíram, e posso afirmar que muitos meus colegas querem abrir mais estabelecimentos e estão conseguindo fazê-lo", diz especialista.

As autoridades criaram uma base para futuro desenvolvimento, segundo Nóvikov, e agora oferecem certos privilégios para atrair os empresários. “Os donos não precisam ser especialistas em negócios, apenas um conhecimento na área alimentar é necessário para abrir um negócio de família, por exemplo. Esse conceito é muito popular no solo europeu e agora nós também podemos adotá-lo”, afirma.

O empresário, que já aproveitou as novas oportunidades para abrir quatro espaços de verão, defenda que a medida é benéfica para todos os lados. “As autoridades recebem impostos, e os moradores e visitantes da cidade, infraestrutura turística e comodidade. Acredito que em um ano já teremos bons resultados”, acrescenta Nóvikov.

Aleksêi Zimin, editor-chefe da revista “Aficha” e um dos fundadores do café Ragout, não se anima com o plano da prefeitura moscovita, já que para ele o novo conceito deveria ser elaborado levando em consideração a real situação do mercado. “As autoridades podem facilitar o processo de desenvolvimento, mas também podem retardá-lo por meio das inspeções intermináveis. Para que o setor de alimentação pública cresça, precisamos apoiar pequenos empreendimentos para que eles possam concorrer com as grandes redes”, defende o editor. “De outro lado, se as autoridades queiram que funcione certa quantidade de estabelecimentos prevista pelo plano, eles criarão condições para que os pequenos negócios não fechem suas portas.”

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.