Imigrantes representam maior ameaça para russos, aponta pesquisa

Imigrantes assustam os nativos russos mais do que o terrorismo Foto: ITAR-TASS

Imigrantes assustam os nativos russos mais do que o terrorismo Foto: ITAR-TASS

Segundo Centro de Pesquisas de Opinião Pública, os imigrantes assustam os nativos russos mais do que o terrorismo, a escassez de reservas de óleo e gás, a baixa taxa de nascimentos e os problemas ecológicos.

Os russos enxergam o estabelecimento de pessoas de outras nacionalidades no país como a maior ameaça interna, de acordo com pesquisa realizada pelo Centro de Pesquisas de Opinião Pública (VTSIOM, na sigla em russo).

Essa é a opinião de 35% das pessoas interrogadas. Segundo a pesquisa, os imigrantes assustam os nativos russos mais do que o terrorismo, a escassez de reservas de óleo e gás, a baixa taxa de nascimentos e os problemas ecológicos.

Em segundo lugar ficou o declínio da cultura, da ciência e da educação formal (33%). Em terceiro, as catástrofes ecológicas e os atos terroristas, com 28%. Cada quatro pessoas interrogadas (25%) temem acima de tudo a possível diminuição dos depósitos de óleo e gás natural e a cisão das elites governantes. Já 23% dos russos mencionaram a baixa taxa de nascimentos como ameaça principal.

“A maioria dos interrogados acredita que os imigrantes não querem respeitar os costumes e normas de comportamento [do país que os acolhe]. Perto de um terço indicou que os imigrantes não são capazes de manter um determinado nível mínimo de cultura aceito em nossa sociedade”, explica o líder da administração dos estudos, Stefan Lvov.

Pesquisa semelhante feita em fevereiro apontou a crise econômica e financeira como a ameaça principal para o país (46%). Os russos citaram como ameaças principais também a perda de valores morais (33%) e os conflitos internacionais (28%).

O fator “conflitos políticos externos” era o que menos assustava na ocasião: a participação do país no conflito entre os EUA e os países muçulmanos alcançava  18% e o aumento da dependência política dos EUA, 12%. Na política doméstica, a falta de autoridade e o caos político preocupava 17%, a desintegração do Estado, 11%, a tomada do poder por uma ditadura, 9%, e retorno ao sistema soviético, 4%.

Vale lembrar que, de acordo com os resultados de pesquisa análoga do VTSIOM em 2005, os problemas que mais assustavam os russos eram a possível cisão da Rússia em diversos Estados independentes e um revolução acompanhada por uma guerra civil (hoje somente 9% e 10%, respectivamente, acreditam nessa possibilidade).

 

Matéria combinada com material do VTSIOM, do jornal Komsomolets de Moscou e do RBC

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.