Após cancelar fórum de direitos humanos, região de Perm será palco de festival de cultura soviética

Fórum de Proteção dos Direitos Humanos, conhecido como "Pilorama", dedicado à memória das vítimas de repressão política, havia se transformado num festival com exposições, peças teatrais, cinema e debates políticos Foto: fedpress.ru

Fórum de Proteção dos Direitos Humanos, conhecido como "Pilorama", dedicado à memória das vítimas de repressão política, havia se transformado num festival com exposições, peças teatrais, cinema e debates políticos Foto: fedpress.ru

Com cinco anos de história, Fórum de "Pilorama" havia se transformado num festival com exposições, peças teatrais, cinema e debates políticos.

Há cerca de um mês, a cidade de Perm, capital da unidade federativa de mesmo nome, viu o projeto cultural de arte contemporânea do conhecido galerista e promotor de cultura Marat Guêlman ser cancelado. A notícia veio pouco tempo antes do recente anúncio do fim do Fórum de Proteção dos Direitos Humanos, conhecido como "Pilorama" (Serraria, em russo), dedicado à memória das vítimas de repressão política.

Segundo as autoridades, cortes orçamentários levaram ao cancelamento do festival.

Por outro lado, Krasnokamsk, outra cidade da região, vai receber o festival da cultura soviética "Moi Soiuz", que em russo significa Minha União.

Com cinco anos de história, Fórum de "Pilorama" havia se transformado num festival com exposições, peças teatrais, cinema e debates políticos.

Nesse tempo, o festival contou com a participação de muitas figuras influentes, como Vladímir Lukin, comissário de direitos humanos na Federação Russa, famosos defensores de direitos humanos como Serguêi Kovalev e Evguênia Tchírikova, o cantor e compositor Iúli Kim, o poeta Ígor Irténiev, o político e representante da oposição Boris Nemtsov, a estrela de rock Andrêi Makarevitch, além das centenas de políticos, sociólogos, jornalistas, músicos e outros cidadãos com posição ativa vindos de outras partes da Rússia e de países como Ucrânia, Bielorússia, EUA, Alemanha, Polônia, Letônia, entre outros.

O acampamento do festival, com capacidade para até 2.000 pessoas, instalava-se ao lado do Museu Memorial Perm-36, onde ficava o VS-389\12, um dos maiores campos soviéticos do sistema Gulag para presos políticos, incluído pela UNESCO na lista do patrimônio cultural mundial.

As pessoas participavam do festival com o objetivo de prestar homenagem às vítimas de repressões do passado, ouvir música e conversar.

Igor Gladnev, ministro interino de Cultura, Políticas Juvenis e Comunicações em Massa da unidade federativa de Perm comenta a situação:

"O ministério liberou 2,5 milhões de rublos destinados à preparação da infraestrutura e à criação das condições básicas para os participantes. Entretanto, a ajuda financeira do ministério não prevê o pagamento das despesas relativas às passagens aéreas, alimentação e hospedagem dos participantes, assim como o orçamento regional não consegue satisfazer todas as demandas dos organizadores do projeto. A escolha foi feita, corresponde aos padrões legais e é necessária e razoável. Na mesma época, acontecerá um evento muito esperado, a abertura de um centro cultural regional, o Museu das Repressões Políticas Perm-36, que permitirá a participação da região no programa federal em homenagem às vítimas de repressão política".

No entanto, o novo museu já existe há muitos anos como uma entidade autônoma, sem fins lucrativos, que agora se tornará apenas mais um órgão público.

Em entrevista a Gazeta Russa, Víctor Chmirov, atual diretor do museu, confessou que fará o possível para que o festival "Pilorama" não deixe de existir.

"Pagaremos as despesas do fórum usando recursos de patrocinadores. Nesse ano, pretendemos organizar um evento que dará continuação ao festival. A partir de outubro serão realizados seus eventos tradicionais, tais como palestras, debates, exposições e demonstração de filmes conforme um programa já elaborado. Estamos cientes da situação especial vivida pela população de Perm nos últimos anos e agora reconhecemos todas as vantagens que o regime político atual traz para as unidades federativas do país", disse Chmirov.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.