Supostas integrantes do Pussy Riot lançam vídeo na internet

Música dispara críticas ao presidente Vladímir Pútin, às petrolíferas e à postura da Igreja Ortodoxa. No site da banda punk, integrantes negam envolvimento e alegam se tratar de imitação.

A banda punk feminista Pussy Riot, que ficou famosa ao realizar um protesto na maior catedral de Moscou, supostamente lançou uma nova música, cujo título é “Como uma prisão vermelha”. Direcionado ao presidente Vladímir Pútin e à indústria do petróleo, o vídeo da música mostra as integrantes mascaradas jogando petróleo em um retrato do diretor da Rosneft, Igor Sétchin.

Vestindo roupas coloridas e balaclavas, elas dançam e cantam sobre uma plataforma de petróleo e em cima de um posto de gasolina, enquanto, os trabalhadores assistem perplexos à apresentação.

O vídeo abre com as mulheres golpeando uma válvula de um oleoduto com uma marreta, seguido por uma explosão. A canção, no estilo característico das Pussy Riot, tem uma letra afiada, permeada com palavrões e gritos de protesto.

A música também fala sobre os direitos da Igreja e dos gays ao soltar frases como “seu presidente é como um aiatolá no Irã e sua igreja é como lá nos Emirados Árabes”.

A revista “Rolling Stones” informou que os membros do grupo foram detidos durante as filmagens do vídeo, mas liberadas na sequência.

“Como se costuma dizer na Rússia, não se pode viver sem discutir com a polícia”, disseram as integrantes do suposto grupo à “Rolling Stone”. “Estamos na Rússia, não vamos a lugar algum. Deixe que Pútin e Sétchin saiam!”

No entanto, um comunicado divulgado no site das Pussy Riot nega a relação do grupo com o ocorrido, dizendo que se trata de imitadores. Duas das integrantes do Pussy Riot estão presas desde que foram julgadas por sua oração punk na catedral de Catedral de Cristo Salvador, em Moscou.

Curiosamente, a música foi lançada praticamente ao mesmo tempo que o vídeo da música “Oil” (“Petróleo”, em português), do DJ Smash. Porém, as músicas e o contexto não poderiam ser mais diferentes.

No vídeo da música “Oil”, que foi lançada no ano passado, a namorada de um oligarca aparece dizendo que “ama petróleo” repetidamente, em meio a uma batida hipnótica. Um produto negro, em alusão ao petróleo, é despejado em taças de champanhe, esfregado sobre meninas de biquíni e largado no chapéu de um morador de rua.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow News

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.