Pesquisa aponta que 79% dos russos não gostariam de possuir arma não letal

Para 48% dos habitantes do país, as armas não letais trazem mais prejuízos do que benefícios ao seu proprietário Foto: Konstantin Zavrájin/RG

Para 48% dos habitantes do país, as armas não letais trazem mais prejuízos do que benefícios ao seu proprietário Foto: Konstantin Zavrájin/RG

Os que consideram úteis as armas não letais (47%) são sobretudo pessoas que já tiveram contato mais próximo com elas.

Recente pesquisa realizada pelo Centro Nacional de Pesquisas de Opinião Pública publicada na sexta-feira (12) comprova que a maioria dos russos (79%) não tem o desejo de ter uma arma não letal, especialmente os moradores das grandes cidades (84%) e as pessoas de mais idade (88%).

Apenas 17% gostaria de ter uma arma do tipo. Entre os habitantes de Moscou e São Petersburgo o número sobe 20% e entre os entrevistados de 18 a 24 anos de idade para 28%.

Para 48% dos habitantes do país, as armas não letais trazem mais prejuízos do que benefícios ao seu proprietário, número que aumenta entre os idosos (59%) e os moradores de pequenas cidades e povoados (53%).

A quantidade dos que apoiam a posição contrária é significativamente menor (15%). Entre jovens de 18 e 24 anos de idade o número sobe 26%. Além disso, um em cada quatro russos acredita que as armas não letais não trazem benefícios ou prejuízos.

Os que consideram úteis as armas não letais (47%) são sobretudo pessoas que já tiveram contato mais próximo com elas, ou seja, informaram que têm uma arma assim na família ou que seus amigos ou conhecidos as possuem. As pessoas que não convivem com  proprietários de armas letais são as mais propensas a falar sobre os perigos dessas armas (52%).

A pesquisa foi realizada em toda a Rússia entre os dias 6 e 7 de abril de 2013. Foram entrevistadas 1.600 pessoas em 130 localidades de 42 unidades federativas, territórios e repúblicas da Rússia. O margem de erro é de 3,5 pontos percentuais.

 

Publicado originalmente pela RIA Nóvosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.