Torcedores condenados não poderão frequentar jogos durante 7 anos

Autoridades registraram 14 mil infrações em eventos esportivos nos últimos três anos Foto: Kommersant

Autoridades registraram 14 mil infrações em eventos esportivos nos últimos três anos Foto: Kommersant

Projeto lei em tramitação na Duma de Estado estabelece pena para vândalos que cometerem crimes durante eventos esportivos.

A Duma de Estado (câmara baixa do Parlamento russo) votou a favor das emendas permitindo que vândalos condenados sejam proibidos de frequentar eventos esportivos por até sete anos.

As alterações fazem parte de um projeto de lei conhecido como Lei do Torcedor, proposta pelas autoridades para manter a tranquilidade durante a Copa do Mundo de 2018 na Rússia.

O projeto de lei passará por uma leitura final prevista para 3 de julho, antes de ser encaminhada para o Senado e ao presidente Vladímir Pútin.

Rússia X Reino Unido

As sanções russas são mais brandas do que as existentes no Reino Unido, outro país com longo histórico de violência no futebol. As penas no futebol britânico variam de 3 a 10 anos, e incluem até uma disposição para confiscar os passaportes dos vândalos quando seu time jogar no exterior.

A proibição se aplica a pessoas condenadas por crimes cometidos durante um evento esportivo, com proibição mínima fixada em seis meses. Atualmente, não há nenhuma disposição do gênero na legislação russa.

No entanto, ainda não está claro quais serão as penalidades se um torcedor condenado desrespeitar a lei e for a um evento esportivo.

“Foram registradas mais de 14 mil infrações em eventos esportivos da Rússia ao longo dos últimos três anos”, expõe a vice-ministra dos Esportes, Natalia Parchikova. Fogos de artifício e canções racistas são comuns em jogos de futebol da Rússia, onde a violência toma rumos inesperados com certa frequência.

O primeiro-ministro e ex-presidente Dmítri Medvedev já havia pedido para criar uma norma proibindo esses torcedores violentos de frequentarem eventos esportivos pro resto da vida.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow News

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.