Prefeitura de Moscou vai instalar câmeras especiais para monitorar motociclistas infratores

Em caso de infração, as novas câmeras vão fotografar o número da placa traseira da motocicleta e enviar a multa para o proprietário Foto:  Wings FMCC

Em caso de infração, as novas câmeras vão fotografar o número da placa traseira da motocicleta e enviar a multa para o proprietário Foto: Wings FMCC

Sistemas de registro de infrações já instalados em Moscou fotografam apenas o número da placa dianteira, pois a câmera está direcionada contra o fluxo de carros.

O Departamento de Transporte de Moscou vai intensificar o combate aos motociclistas infratores. Em agosto, o Centro de Organização do Tráfego iniciará testes com câmeras de trânsito especiais para monitorar a movimentação de motociclistas. Hoje, os responsáveis por esse controle são os guardas da polícia de trânsito, que também circulam em motocicletas.

Em caso de infração, as novas câmeras vão fotografar o número da placa traseira da motocicleta e enviar a multa para o proprietário.

Os 700 sistemas de registro de infrações já instalados em Moscou fotografam apenas o número da placa dianteira, pois a câmera está direcionada contra o fluxo de carros. Nas condições atuais, como as motocicletas não têm a placa dianteira, elas são inacessíveis às câmeras e todas as infrações são registradas nas avenidas pelos guardas do segundo batalhão especial de motociclistas da polícia de trânsito.

As novas câmeras serão direcionadas a favor do fluxo do trânsito. Após a seleção do fabricante (estão sendo testados produtos de três marcas), os dispositivos serão instalados em uma das ruas de Moscou. A experiência vai durar cerca de um mês. Após o período, será tomada  uma decisão sobre a possibilidade de uso dos equipamentos em toda a cidade.

Em breve, o governo de Moscou também decidirá sobre a permissão da circulação das motocicletas nas faixas exclusivas dos ônibus.

Acidentes

De acordo com dados da polícia de trânsito, durante os quatro primeiros meses de 2013 aconteceram 93 acidentes envolvendo motocicletas na capital (no mesmo período de 2012, foram 116 acidentes de trânsito), nos quais 11 pessoas morreram (em 2012, foram 6 mortes) e 90 ficaram feridas (contra 120, em 2012).

Os principais tipos de acidentes envolvendo motocicletas foram colisão (em 2013 ocorreram 59 acidentes de trânsito do tipo, contra 81 no mesmo período de 2012), atropelamentos (11 em 2013 contra 8 em  2012) e tombamento (11 em 2013 contra 8 em 2012).

"Não é que apoiamos a medida, mas não dá para escapar das câmaras”, admitiu o líder da União dos Motociclistas da Rússia, Pavel Frolov.

“Naturalmente, haverá os motociclistas que cancelarão os registros de suas motocicletas ou andarão sem as placas, mas esses serão poucos. Atualmente, todo mundo está tentando andar de acordo com as regras."

Frolov observou que grupos de motociclistas voluntários poderiam influenciar o comportamento dos “bikers” muito mais do que as câmeras. A União dos Motociclistas já enviou ao Ministério do Interior a sugestão de criação desses grupos e está aguardando uma resposta.

Os voluntários monitorariam o tráfego, servindo de testemunhas durante a apuração do acidente de trânsito e o registro das infrações.

"Se alguém ficar se esquivando das câmeras, isso também me afetará potencialmente”,  afirma Frolov. “É melhor que eu mesmo, como integrante do grupo de motociclistas voluntários, oriente o infrator na direção do caminho certo."

 

Publicado originalmente pelo “Kommersant

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.