Gato é detido por contrabandear celulares em prisão

Destino do gato detido é desconhecido Foto: Anastassia Gólubeva

Destino do gato detido é desconhecido Foto: Anastassia Gólubeva

Agentes penitenciários na República de Komi, no norte da Rússia, capturaram o felino com objetos proibidos presos ao corpo.

O gato foi capturado na sexta-feira passada (31) enquanto escalava o muro da Colônia Penal No. 1, perto da capital Siktivkar.

“Dois pacotes estavam presos às costas do animal. Ao abri-los, os guardas encontraram objetos proibidos na unidade prisional – dois celulares com baterias e carregadores”, disse o departamento de serviço penitenciário da república de Komi. O destino do gato é desconhecido.

Embora esse seja o primeiro incidente do gênero na prisão de Komi, gatos são geralmente usados por presidiários da Rússia para contrabandear drogas.

Em agosto passado, a polícia de narcóticos na região de Rostov, no sul da Rússia, descobriu que um gato estava sendo usado para transportar heroína para dentro de unidade penitenciária. O gato saiu da prisão com ajuda de detentos libertados e entregue a traficantes que esperavam do lado de fora. Eles rechearam a coleira do felino com heroína e devolveram o animal para a prisão.

Em um caso semelhante ocorrido em 2010, um gato com coleira cheia de heroína foi morto por um cão farejador ao tentar contrabandear heroína para um detento na República do Tatarstão.

A tática também foi usada por internos na cidade alagoense de Arapiraca. Em janeiro passado, um gato foi capturado enquanto tentava escapar por entre as portas da prisão carregando inúmeras ferramentas grudadas ao corpo, incluindo uma serra.

 

Publicado originalmente pela RIA Nóvosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.