Sindicatos e comunistas vão às ruas no Dia do Trabalho

Mulheres solteiras protestaram contra "grosseria" Foto: Itar-Tass

Mulheres solteiras protestaram contra "grosseria" Foto: Itar-Tass

Nesta quarta-feira (1), o Dia do Trabalho foi marcado por eventos diversos, que foram desde marchas no estilo soviético a campanhas para promoção do techno europeu e os direitos das mulheres solteiras.

Em Moscou, aconteceram sete protestos, sendo o maior deles uma marcha dos sindicatos de trabalhadores da capital, coorganizada pelo partido governista Rússia Unida. De acordo com a polícia, estiveram presentes cerca de 70 mil participantes.

Ainda assim, o movimento ficou aquém da ação em 2012, quando cerca de 150 mil pessoas foram às ruas para celebrar o Dia da Primavera e do Trabalho, como o feriado é oficialmente chamado. Na ocasião, a mídia chegou a afirmar que alguns participantes haviam sido pagos para participar da ação. Ao contrário do ano passado, o presidente Vladímir Pútin não compareceu ao evento recente.

O maior protesto deste ano aconteceu em São Petersburgo, onde 150 mil pessoas participaram da marcha pela Nevski Prospekt, no centro da cidade. Cerca de 30 supostos anarquistas foram detidos por tentar atrapalhar a manifestação e entrar em conflito com os nacionalistas presentes.

Moscou também foi ofuscada pela república da Tchetchênia, no Cáucaso do Norte, onde 120 mil se reuniram na capital Grózni e outros 210 mil pelo resto da região.

Outras ações de grande escala pelo país incluíram uma marcha de 40 mil pessoas em Khabarovsk, 35 mil em Vladivostok, 33 mil em Ijevsk, 25 mil em Volgograd e 20 mil em Iekaterinburgo.

Vários grupos da oposição também se reuniram na quarta-feira, entre eles o Partido Comunista, que mantém as tradições do Dia do Trabalho estabelecidas nos tempos soviéticos – naquela época, 1° de maio era um dos principais feriados nacionais. O maior evento dos comunistas em Moscou juntou 4.500 manifestantes.

A capital também estreou seus dois “Hyde Parks”, as áreas especiais em parques da cidade onde protestos em massa podem ser realizados sem autorização especial das autoridades. Os locais estão situados nos parques Górki e Sokolniki, cada um com capacidade máxima de 2 mil pessoas.

No entanto, nenhum dos dois eventos realizados nesses espaços conseguiu atrair grupos políticos. Entre as ações, houve um protesto das mulheres solteiras contra o “comportamento grosseiro” e um flashmob para promover o hardcore techno europeu.

 

Publicado originalmente pela RIA Nóvosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.