Centro de exposições da Rússia será reformado

Foto: Lori / Legion Media

Foto: Lori / Legion Media

Prefeitura da cidade de Moscou aprovou a revitalização do local, bem como a construção de estacionamentos e imóveis comerciais em uma área de cerca de 700 mil metros quadrados.

Um dos principais destinos turísticos de Moscou, o Centro de Exposições da Rússia (VVC, na sigla em russo), será reformado.

Durante os tempos soviéticos o local era chamado de Exposição das Realizações da Economia Nacional (VDNKh, na sigla em russo).

De acordo com o jornal “RBC Daily”, a prefeitura da cidade de Moscou aprovou a revitalização do local, bem como a construção de estacionamentos e imóveis comerciais em uma área de cerca de 700 mil metros quadrados.

Entre os empreendimentos comerciais haverá um oceanário, um parque aquático, uma piscina, sala de congressos, pavilhões de exposição, dois hotéis, uma pista de patinação, escalada em rocha, cinemas e vários museus.

As construção deverão ser feitas fora da parte histórica do VVC.

“A construção de novos prédios será nas áreas que se enquadram dentro dos seus limites, mas que não se relacionam com a parte histórica”, disse ao “RBC Daily” Natalia Sergunina, vice-prefeita de Moscou para assuntos relacionados à terra e à propriedade e presidente do conselho do VVC .

De acordo com a vice-prefeita, a zona histórica será apenas restaurada. Seu orçamento, de acordo com as estimativas mais conservadoras, é de mais de US$ 500 milhões. O desgaste dos meios de comunicação da  antiga VDNKh chegou a 100% e dos edifícios, a 75%, explicou o diretor geral do VVC , Aleksêi Mikushko.

Segundo ele, cada pavilhão histórico (dos 45 existentes) requer um investimento de cerca de 1 bilhão rublos, enquanto que as famosas fontes, de cerca de 1,4 bilhões de rublos.

Durante a restauração dos pavilhões existentes e a revitalização dos danificados, planeja-se transformar a maior parte do território do VVC em um parque histórico de exposições, informou uma fonte do Instituto NiiPI.

O custo total para a revitalização do território do VVC  é de cerca de US$ 2 bilhões.

“Pretendemos não apenas colocar em ordem todos os edifícios e monumentos, mas também criar um lugar simbólico na cidade, que certamente será amado pelos moscovitas e se tornará um cartão de visitas para a capital”, diz Mikushko.

Era soviética

O VVC era exatamente assim, um ícone dos tempos da URSS. O complexo de 237,5 ha foi fundado em 1939 por decisão do 2º Encontro dos Agricultores de Toda a União, como um local para a exposição das realizações da economia nacional. A popularidade das exposições entre os trabalhadores agrícolas era muito grande –a comissão da exposição recebeu cerca de 250 mil inscrições.

Era estruturada por ramos de atividade e por território. Foram erguidos mais de 250 edifícios em uma área de 140 hectares  –pavilhões de diferentes ramos de atividade, “casas” das repúblicas unidas, entre outros.

É neste território do VVC que está a torre de 52 metros com a estátua “O Trabalhador e a Jovem do Kolkhoz”, representando o operador de trator e a jovem trabalhadora da fazenda coletiva, ambos segurando a foice e o martelo.

Após a Segunda Guerra Mundial, foi construída na praça principal do VVC a fonte Amizade dos Povos. A composição de suas esculturas representa uma ciranda de figuras de mulheres do kolkhoz, das diferentes repúblicas soviéticas, vestidas com trajes nacionais típicos.

As esculturas são feitas em bronze, com uma cobertura finíssima em ouro e os feixes de trigo, em folha dourada de cobre. A fonte joga mais de uma tonelada de água por segundo a uma altura que equivale a um prédio de oito andares.

Em meados e no final dos anos 1990, o VVC praticamente não funcionava de acordo com o perfil que tinha sido criado. Muitos pavilhões foram arrendados como armazéns e pontos de venda de produtos de informática e mercadorias populares.

Os prazos para a execução das obras ainda estão sendo definidos, mas os funcionários pretendem acelerar o processo de reconstrução, porque “nos últimos tempos, o VVC transformou-se em um lugar estranho”, explica o chefe do Departamento da Herança Cultural de Moscou, Alexander Kibovskij.

O VVC ocupa hoje uma área de 237,5 hectares. A propriedade como um todo tem uma área de 465 mil metros quadrados, totalizando 473 edifícios, com 46 monumentos.

 

Com material do RBC Daily e RIA Nóvosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.