Russos sofrem três vezes mais que europeus com fraudes de celulares

Na maioria dos casos, tanto russos como europeus dão pouca atenção à proteção de seus dispositivos celulares Foto: AP

Na maioria dos casos, tanto russos como europeus dão pouca atenção à proteção de seus dispositivos celulares Foto: AP

Cerca de 26% dos russos que acessam a internet de smartphones ou tablets já foram vítimas de crime cibernético com uso de tecnologias móveis, segundo um levantamento conduzido pela empresa Norton. Na Europa, apenas 9% da população já passou por situações semelhantes.

De acordo com o estudo publicado no site Digit.ru, 41% dos usuários na Rússia e na Europa admitem baixar aplicativos de fontes não seguras, enquanto 43% e 34%, respectivamente, confirmaram que nem sempre usam métodos seguros de pagamento durante as compras on-line.

O levantamento também constatou que mais de 40% dos europeus usam rede wi-fi gratuita e não protegida para verificar seus e-mails; na Rússia, esses usuários chegam 57%. Além disso, 18 % dos europeus e russos usam redes de internet gratuitas para acessar suas contas bancárias.

Paralelamente, 34% dos usuários na Europa dizem que não conseguiriam deixar de usar o seu telefone ou tablet, e para 24%, o dispositivo móvel seria uma das duas coisas que salvariam em um incêndio. Na Rússia, 47% dos usuários não se separam de seus aparelhos, mas somente 14% pensariam em salvá-los durante uma tragédia.

Três em cada dez europeus já perderam ou tiveram o seu dispositivo móvel roubado. Na Rússia, esse número atinge 50%.

Os resultados do estudo foram coletados ao longo de 2012 em cidades da Inglaterra, França, Alemanha, Dinamarca, Suécia, Holanda, Itália, Polônia, Rússia. No total, foram entrevistas 4,5 mil pessoas acima de 18 anos.

 

Publicado originalmente pela agência RIA Nóvosti 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.