‘Descriminalização das drogas é solução ilusória’

O diretor do Serviço Federal da Rússia para o Controle de Drogas Víktor Ivanov Foto: TASS

O diretor do Serviço Federal da Rússia para o Controle de Drogas Víktor Ivanov Foto: TASS

Diretor do Serviço Federal para Controle de Drogas, Víktor Ivanov, contesta a ideia de ineficácia das políticas antidrogas e se opõe à legalização como forma de resolução do problema.

Durante uma sessão da Comissão sobre Narcóticos das Nações Unidas realizada em Viena no início desta semana, Viktor Ivanov manifestou-se contra a legalização até mesmo dos chamados narcóticos leves, como a maconha. Segundo o especialista, a descriminalização das drogas é uma “solução ilusória”.

Questionado sobre a origem do problema de propagação das drogas, Ivanov enfatizou a existência de dois centros globais de produção de drogas em dimensão industrial: países da América Central (Colômbia, Peru e Bolívia) e o Afeganistão.

“Enquanto na América do Sul encontra-se a produção de 100% da cocaína no mundo, no Afeganistão lida-se com 90 a 95% da heroína produzida mundialmente. Esse é um fato que condiciona não apenas a produção, mas também o tráfico de drogas posterior por territórios de vários países”, declarou o diretor do serviço federal.

Voz da Rússia: Alguns veículos ocidentais afirmam que a Rússia representa a principal via do narcotráfico do Afeganistão à Europa...

Víktor Ivanov: Isso não corresponde à realidade. Não conheço caso algum em que heroína afegã fosse transitada através do território russo. A heroína afegã entra na Europa por dois caminhos.

Um deles é histórico, passando por países da Península Balcânica, e atual até hoje. Levando em consideração que a situação no Iraque é extremamente grave, e o país vem sendo dilacerado por uma guerra de muitos anos, a heroína afegã atravessa o território iraquiano para o Sahel na África Ocidental e Central e, de lá, para a África do Norte e a Europa.

VR: O sr. falou em uma entrevista que um grande quantidade de drogas sintéticas entra na Rússia a partir da Europa. Como isso é possível?

VI: Cerca de 50% das drogas sintéticas provém da Alemanha, Holanda, Bulgária, Polônia e países do Báltico. São transportadas, por via de regra, em veículos ligeiros, carros de carga, aviões e navios.

VR: O consumo de drogas na Rússia está aumentando ou diminuindo?

VI: O trabalho do nosso órgão está completando 10 anos. A estrutura do serviço conta com especialistas no assunto entre os efetivos do Ministério do Interior e essa decisão comprovou sua eficácia.

Conseguimos organizar a luta contra o narcotráfico ilegal e hoje investigamos até 85% dos crimes de narcóticos cometidos por grupos organizados, assim como todos os processos ligados à lavagem de dinheiro e à legalização de meios relacionados às drogas.

Como resultado, até 90% dos centros clandestinos de consumo de drogas foram liquidados. Coordenamos a atividade com a polícia e a alfândega, e o número de consumidores de drogas na Rússia não está crescendo. Nos últimos sete anos, esse número permaneceu estável em 8,5 milhões de pessoas que consomem drogas com diferente grau de regularidade.

Uma parte delas já é totalmente dependente, outra encontra-se numa etapa de formação ativa do vício. Consideramos essa quantidade muito grande e, por isso, pretendemos agir ainda mais. Essa tarefa não pode, contudo, ser realizada apenas em caráter policial, mas é preciso desenvolver um sistema nacional de reabilitação de consumidores de drogas.

VR: O que mais preocupa nessa luta antidroga?

VI: A síntese de novas drogas, o vem ganhando especial força. Durante o último ano, foram sintetizados 50 novos tipos de drogas, ou seja um novo narcótico por semana.

Nossa tarefa é suspender provisoriamente a venda de tais preparados até que sejam concluídos longos procedimentos de coordenação e de investigações médico-biológicas, antes de apresentar ao governo listas de substâncias sujeitas ao controle. Se tal decisão for tomada, nossas ações serão mais rápidas e mais adequadas a essa ameaça.

 

Publicado originalmente pelo Voz da Rússia

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.