Universidade Estatal de Moscou fica entre as 50 melhores do mundo em ranking inglês

Universidade Estatal de Moscou Foto: Cody White

Universidade Estatal de Moscou Foto: Cody White

Única universidade russa da lista, ela ocupou o 50º lugar do Times Higher Education, com uma pontuação de 6,5.

A Universidade Estatal de Moscou (MGU, na sigla em russo) voltou à lista da Times Higher Education, que classifica as melhores instituições de ensino superior do mundo.

Única universidade russa da lista, ela ocupou o 50º lugar, com uma pontuação de 6,5. Os cinco primeiros lugares são, respectivamente, a Universidade de Harvard, o MIT (Massachusetts Institute of Technology), a Universidade de Cambridge, a Universidade de Oxford e Berkeley.

No ano passado, a MGU nem constou na classificação.

"Isso significa, evidentemente, reputação e um sinal para os empregadores. Também é significativo para os estudantes estrangeiros. Mas, em geral, eu não exageraria na corrida pelas classificações. O mais importante é que a universidade funcione bem e de forma estável”, disse Alexander Sadovnichiy, reitor da MGU, em uma entrevista à revista “Kommersant FM”.

" A Universidade de Moscou sempre ocupou um lugar elevado do ponto de vista de reputação internacional. Somos procurados por estrangeiros, que são cerca de 7 mil hoje, sem  levar em conta os países da CEI (Comunidade de Países Independentes). Mas claro que a MGU tem consistentemente sido incluída entre as cem, de acordo com as classificações de Shanghai, Webometrics e Times. Acredito que isso aumenta o número de estudantes estrangeiros que desejam vir para cá”,  acrescentou.

A classificação do Times baseia-se em uma pesquisa realizada por cientistas de renome, que usam um método bastante complexo. O último levantamento foi realizado entre março e abril do ano passado: foram recebidas 16.639 respostas de 144 países –21,1% das respostas eram relativas a ciências sociais, 21,3% a tecnologia e engenharia, 18% das respostas eram relacionadas às ciências naturais, 15,4% a ciências médicas, 12,7% biológicas e a menor parte, 10.5%, a artes e humanidades.

Os acadêmicos eram questionados sobre assuntos dentro de seus campos de atividade e deviam citar os nomes de não mais de 15 instituições de pesquisa e de formação, com base na sua experiência pessoal, que considerassem como as melhores.

Houve também perguntas especiais como "Para qual Universidade você teria enviado seu melhor graduando para um curso de pós-graduação?".

De acordo com Sadóvnichi, uma destas questões tornou-se o motivo pelo qual a MGU não foi classificada no ano passado.

"No ano passado, nos opusemos à formulação de uma das questões feitas pelos peritos. E eles concordaram conosco. A pergunta era: ‘Você enviaria um aluno seu para um pós-doutorado na Universidade de Moscou?’ Dissemos que aqui a noção de um pós-doutorado não é muito aceita e que na Universidade de Moscou este curso nem existe. Pedimos que a pergunta fosse feita de outra forma: ‘Você está pronto para aceitar um graduado com pós-doutorado da Universidade Estatal de Moscou em seu laboratório?’ Esta é uma abordagem completamente diferente porque os nossos alunos trabalham com sucesso praticamente em qualquer laboratório do mundo”, conta.

 

Reportagem com material do Kommersant

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies