Protestos reúnem mais de 12 mil em Moscou neste sábado

Foto: RIA Novosti / Alexey Filippov

Foto: RIA Novosti / Alexey Filippov

Enquanto manifestantes pró-governo marchavam pela proteção das crianças, oposição defendia a garantia dos direitos sociais.

Cerca de 12 mil ativistas pró-Kremlin, segundo a polícia, se reuniram no centro de Moscou neste sábado (2), para pressionar o governo a estender a proibição de famílias norte-americanas de adotar crianças russas a todos os cidadãos estrangeiros, além de facilitar as regras nacionais para adoção.

O protesto autorizado pelas autoridades aconteceu cerca de dois meses depois de a proibição imposta pela Rússia aos cidadãos norte-americanos entrar em vigor.

Muitos manifestantes, sobretudo mulheres entre 40 e 50 anos, usavam laços presos à roupa com a frase “Estou com você, Kirill!”, para expressar apoio ao irmão de Maksim Kuznetsov, o garoto russo que morreu no lar de sua família adotiva nos EUA.

Os órfãos precisam de mães, não de túmulos”, gritavam os participantes do protesto.

Os ativistas da oposição também realizaram outra marcha neste sábado, em defesa dos direitos sociais e políticos dos moscovitas.

A manifestação foi organizada pelo líder de protesto Serguêi Udaltsov, atualmente em prisão domiciliar, enquanto aguarda o julgamento por acusações de promover “desordem em massa” e conspiração para derrubar o presidente russo Vladímir Pútin.

A polícia informou que cerca de 500 pessoas tinham participado do protesto, mas a estação de rádio “Ekho Moskvi” divulgou que esse número girava em torno de 2 mil.

Mais de 4 mil policiais e membros de esquadrões da ordem pública garantiram a ordem e segurança durante as duas manifestações, segundo a assessoria de imprensa do órgão. Os participantes passaram por detectores de metal nos locais dos protestos.

 

Com informações das agências de notícia RIA Nóvosti e ITAR-TASS

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.