Marinha russa realiza exercícios navais perto da costa síria

Foto: RIA Nóvosti

Foto: RIA Nóvosti

A Marinha russa concentra perto da costa síria um grupo-tarefa de navios de todas as suas quatro frotas (do Norte, do Mar Báltico, do Mar Negro e do Pacífico) para a realização de exercícios navais.

A Marinha russa está realizando exercício navais perto da costa síria.

O desembarque de navios na costa do país, no entanto, ainda não aconteceu. Um dos navios de desembarque pesados, o Kaliningrad, da Frota do Mar Báltico, está a caminho do porto russo de Novorossisk para pegar unidades de paraquedistas e viaturas blindadas e já atravessou o estreito de Dardanelos, o Mar de Mármara e o Bósforo.

Outro navio de desembarque, o Aleksandr Chabalin, também da Frota do Mar Báltico, está no Mediterrâneo seguindo o mesmo destino e com o mesmo objetivo. Dentro de uma semana, ambos os navios devem retornar ao Mar Mediterrâneo, cumprir sua missão no âmbito dos exercícios navais programados e voltar ao porto de matrícula de Baltisk, no Mar Báltico.

Enquanto isso, o navio de desembarque Azov, com unidades de paraquedistas e viaturas blindadas a bordo, já está de volta no Mediterrâneo seguindo ao Mar Egeu para se juntar à força-tarefa na próxima sexta-feira (25).

A notícia de que uma força-tarefa de navios de guerra de diferentes Frotas da Marinha russa seria enviada ao Mar Mediterrâneo foi divulgada antes das festas de fim de ano e citou uma fonte não identificada do Estado-Maior das Forças Armadas.

Segundo a notícia, os navios teriam um ponto de encontro no Mar Mediterrâneo para a "execução conjunta de missões de combate" perto da costa síria. O porto de Tartus foi indicado como sendo o de apoio logístico.

O grupo deveria integrar o cruzador lança-mísseis Moskva, os navios oceânicos de luta antissubmarina Marechal Chapochnikov e Severemorsk, os navios de patrulha oceânicos Iaroslav Mudri e Smetlivi e seis navios de desembarque pesados (Kalingrad, Novocherkassk, Aleksandr Chabalin, Saratov, Nikolai Filchenkov e Azov), além de vários navios de apoio.

A notícia dizia ainda que, em caso de necessidade, os navios poderiam ser usados para a evacuação de cidadãos russos da Síria.

No entanto, a evacuação parece ter sido adiada, uma vez que o exército sírio repele com sucesso os ataques de grupos de oposição díspares e desalojou os rebeldes da costa síria na região do Cabo Ibn Hani, perto de Latakia, e de Dzhebla, Baniyas e Tartus.

Mais tarde, porém, outra notícia divulgada por uma outra fonte não identificada do Estado-Maior afirmava que, no final de janeiro, a força-tarefa composta por 16 navios iria realizar exercícios navais para treinar a coordenação entre os navios dentro do grupo e o desembarque e embarque de unidades de fuzileiros navais e de paraquedistas e blindados na costa síria.

A Marinha russa está presente no Mediterrâneo, na região do Chifre da África, no Golfo de Áden e no Mar Vermelho.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.