Russos celebram Batismo do Senhor com mergulho em lagos gelados

Foto: TASS

Foto: TASS

Enquanto os cristãos ortodoxos de todo o mundo vão à Igreja para confessar e comungar, os russos celebram o Batismo do Senhor com mergulhos em lagos gelados que rendem boa dose de adrenalina.

Os cristãos ortodoxos celebram a festa do Batismo do Senhor ou Santa Teofania (Epifania) na noite de 18 para 19 de janeiro. Os festejos começam com uma missa comemorativa do Batismo do Senhor e prosseguem na margem de um lago ou rio local com o padre benzendo a água.

Após o ritual, a água é considerada sagrada e é levada por crentes em diversos recipientes para casa para o consumo pessoal ou para guardar como dom sagrado. Acredita-se que a água benta possui propriedades extraordinárias, entre as quais a de ficar por alguns anos em um recipiente fechado sem perder sua pureza.

Infográfico:

 

Um dos rituais tradicionais da festa é o mergulho em um buraco no gelo em forma de cruz, aberto em um lago ou rio congelado. Este ano, Moscou terá mais de 40 pontos de mergulho devidamente arrumados e equipados com iluminação, postos de primeiros socorros e ambulâncias e tendas aquecidas para trocar de roupa e se aquecer após o ritual de mergulho.

Essa época do ano se destaca na Rússia por um frio severo e é chamada de “época de frio da Epifania”. O frio, porém, não espanta os russos nem compromete o ritual.

Na "hora do rush", o tempo de espera na fila para mergulhar pode chegar a uma hora. Alguns vestem maiô ou sunga enrolados em uma toalha, fazendo lembrar uma fila do sorvete em uma praia no verão. Completamente congelados, eles saltam impacientes para água quando chega sua vez e não se intimidam com o frio que, fora da água, é pelo menos 20ºC mais forte.

Não é nada assustador mergulhar em água gelada. Quando a temperatura do ar é de - 20ºC e a da água de 2ºC, a sensação é de mergulhar em leite morno. No pós-mergulho, o mais importante é enxugar-se rapidamente com uma toalha, dizem aqueles que costumam tomar o banho.

O ritual de mergulho, no entanto, não atrai somente pessoas religiosas. Há quem venha mergulhar após libações alcoólicas para testar a si próprios em condições extremas, deturpando assim o sentido desse ritual sagrado.      

"Mergulhei há dois anos. Naquele dia, fazia cerca de 25º negativos. Aguardei na fila meia hora só de sunga, enrolado em uma toalha", diz Ivan, universitário de Moscou.

"Não posso dizer que sou muito religioso: uso um crucifixo no pescoço, mas não sou cristão praticante. Simplesmente quis ver se eu poderia ou não fazê-lo porque adoro tudo o que faz a adrenalina subir."

"Nesse dia, tomar banho é de importância secundária", diz o padre Aleksandr.

"A coisa mais importante para um cristão é ir à Igreja  para assistir à missa, confessar e comungar. O mergulho em um buraco no gelo é opcional e não lava pecados. O perdão dos pecados só pode ser conferido por um sacerdote após a confissão e a comunhão, enquanto a imagem radical da festa foi criada pelos meios de comunicação.".

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.