6 questões sobre o cessar-fogo na Síria

Soldado do exército de Bashar observa a cidade de Aleppo, maior centro industrial sírio arruinado pela guerra.

Soldado do exército de Bashar observa a cidade de Aleppo, maior centro industrial sírio arruinado pela guerra.

Iliya Pitalev/RIA Novosti
No sábado (27), entra em funcionamento acordo assinado entre Rússia e EUA.

No sábado (27), entra em funcionamento acordo assinado entre Rússia e EUA no dia 22 de fevereiro. A Gazeta Russa responde a seis questões acerca do documento.

1. O acordo firmado entre Pútin e Obama diz respeito a quem?

O acordo prevê um cessar-fogo entre as forças do governo sírio, assim como seus aliados, e as fileiras armadas da oposição.

O presidente russo Vladímir Pútin relembrou que a ação de baixar armas não será compartilhada pelos extremistas o EI (Estado Islâmico), Jabhat al-Nusra e outras organizações consideradas pelo Conselho de Segurança da ONU como terroristas.

2. Quando deve ocorrer o cessar-fogo?

O acordo deve entrar em funcionamento em 27 de fevereiro (sáb.).

Até o meio-dia de sexta-feira, 26 de fevereiro, os representantes dos grupos participantes no conflito sírio devem "confirmar à Rússia ou aos parceiros americanos sua fidelidade ao cessar-fogo".

Após isso, será criado um mapa no qual serão traçados os territórios ocupados pelos agrupamentos que se manifestarem.

O cessar-fogo se estenderá a essas áreas.

3. Quem controlará a realização do acordo?

A supervisão da execução do acordo ficará por conta de um grupo especial criado sob a égide da ONU.

Os copresidentes do grupo são Rússia e EUA. Além disso, na base aérea russa de Latakia já foi criado um Centro de Coordenação para Conciliação das Partes.

O Ministério da Defesa russo anunciou que os opositores que quiserem cessar fogo podem se comunicar com esse centro  para contatar o governo sírio.

4. Como as partes em conflito receberam o acordo?

Formado na capital saudita, Riad, o comitê que produziu o acordo anunciou, na segunda-feira (22), estar "tomando esforços internacional para implementar o cessar-fogo".

Mas o Alto Comitê de Negociação estipulou uma série de exigências para o cumprimento do cessar-fogo, principalmente a suspensão dos bombardeios russos e das forças do presidente Bashar al-Assad.

O presidente sírio, por sua vez, disse, em conversa com Pútin na quarta-feira (24), que o governo sírio estava pronto para "contribuir com o cessar-fogo".

Além disso, Assad e Pútin ressaltaram a importância da "guerra descompromissada" contra o EI, Jabhat al-Nusra e outros grupos classificados como terroristas.

5. O que pode atrapalhar na realização do acordo?

As dificuldades surgem na tentativa de separar a oposição moderada dos radicais, disse à Gazeta Russa o diretor do Centro de Estudos dos Países do Oriente Médio e Ásia Central, Semion Bagdassarov.

Assim, os combatentes do Jabhat al-Nusra, filial da Al-Qaeda, lutam em conexão muito próxima com algumas brigadas da oposição do Exército Livre da Síria, e não há como reconhecer essas formações, segundo o especialista.

6. Os EUA têm um "plano B"?

Os chefes do Pentágono e da CIA não acreditam que a Rússia possa implementar o cessar-fogo, e propuseram ao presidente norte-americano Barack Obama que pense em um plano B, caso essa desconfiança se concretize.

Obama considera o fornecimento de armamento mais poderoso aos opositores de Assad e, possivelmente, a imposição de novas sanções contra a Rússia - a exemplo das que foram iniciadas devido ao envolvimento de Moscou no conflito ucraniano.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.