Campanha na Síria tem consequências positivas e negativas à economia russa

Caça Su-24 em missão no país árabe: demonstração de equipamento bélico na prática poderia levar a assinatura de novos contratos à indústria militar russa.

Caça Su-24 em missão no país árabe: demonstração de equipamento bélico na prática poderia levar a assinatura de novos contratos à indústria militar russa.

Dmitriy Vinogradov/RIA Novosti
Operação contra EI já se estende há três meses e influi no orçamento.

Desde 30 de setembro, Moscou já realizou mais de 4.200 missões contra o EI (Estado Islâmico) na Síria, destruindo 2.000 alvos com o uso de cerca de 50 aeronaves militares.

Os gastos envolvidos na campanha, porém, são incertos.

 “O governo russo não divulga os custos da operação, e todas as tentativas de se criar um cálculo aproximado levam a resultados contraditórios", diz o diretor do Centro de Análise e Estudos Estratégicos da Rússia, Evguêni Gnilomiodov.

Segundo o ministro das Finanças russo, Anton Siluanov, o Ministério da Defesa não recebeu para a campanha qualquer verba extra que não estivesse inclusa no orçamento estatal.

Na receita programada para 2016, porém, a Defesa contará com um aumento, chegando aos 3 trilhões de rublos (quase US$ 42,6 bilhões, ou seja, 4% do PIB russo).

De acordo com a "Independent Military Review", publicação especializada em assuntos militares, cerca de US$ 2 bilhões serão destinados a "operações de defesa e segurança nacional".
 
Alvo de crítica

Mesmo com os gastos visíveis, apesar de incertos, aplicados à operação militar, são as perdas não diretamente relacionadas ao conflito que afligem o país, como o estremecimento da cooperação bilateral com a Turquia após a derrubada, por essa, de um caça russo em sua fronteira.

“Para os investidores, os preços do petróleo são mais importantes que as atividades militares fora do território russo”, diz o economista Serguêi Khestanov.

Assim, segundo ele, as multinacionais no país não sentem os efeitos diretos da operação na Síria.

Gnilomiodov concorda, e acrescenta que a participação das Forças Aeroespaciais russas no conflito sírio não levou a uma fuga de capital ou retirada de ativos da Rússia.

“Mas determinados eventos podem afetar temporariamente os preços do petróleo e das ações de empresas russas, assim como a estabilidade do rublo em relação a moedas estrangeiras”, afirma.

Consequências para indústria militar

Para analistas de mercado, as incursões deram à indústria militar russa a chance de mostrar seus produtos no mercado mundial e em batalha. 

“A demonstração, em combate real, dos equipamentos bélicos russos na Síria podem até levar à assinatura de novos contratos por compradores estrangeiros”, diz Gnilomiodov. 

Além disso, a indústria bélica nacional colheria os frutos da campanha após seu encerramento.

"Então, as empreiteiras russas poderão participar de projetos para reconstruir a infraestrutura destruída na Síria", diz. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.