Nossas vidas ficaram por um fio, diz jornalista ferido na Síria

Hadaia (à dir.), que sobreviveu a um ataque de mísseis na Síria, lamenta por locais: “Há mortos por toda parte”.

Hadaia (à dir.), que sobreviveu a um ataque de mísseis na Síria, lamenta por locais: “Há mortos por toda parte”.

RIA Nôvosti
Um veículo com três jornalistas russos foi alvo de um ataque de mísseis no dia anterior à derrubada do bombardeiro russo Su-24. De volta a Moscou, uma das vítimas, Sargon Hadaya, correspondente da versão árabe do canal Russia Today, descreveu à Gazeta Russa cenas presenciadas no decorrer de três semanas de trabalho na zona de conflito.

Viajar a trabalho para a Síria foi uma iniciativa pessoal?

Já tinha feito cobertura de guerra antes, na Ucrânia. Expressei o desejo de ser enviado à Síria, pois tinha interesse em olhar para a situação por dentro. Até então eu vinha trabalhando com os processos políticos de resolução do conflito na Síria. Havia entrevistado [o presidente sírio] Bashar al-Assad e coberto as negociações em Genebra, Viena e Moscou.

Você se preparou antes da viagem?

Tínhamos consciência de que estávamos indo para a guerra. A guerra não é uma imagem que vemos na televisão. A guerra é feita de tragédias e histórias pessoais difíceis de vivenciar. O que eu não esperava é que iriam atirar em jornalistas e que nossas vidas ficariam por um fio.

Como isso ocorreu?

Estávamos indo fazer uma filmagem no assentamento de Degmashlie, que havia sido libertado pelo Exército sírio. Fomos em três veículos. O primeiro míssil atingiu a encosta. Dois carros estavam à frente, estávamos no terceiro. Um segundo míssil acertou nosso carro.

Durante as três horas seguintes, enquanto o Exército sírio tentava nos transferir para um local seguro, Aleksandr Júkov, um cinegrafista militar, ficou filmando tudo com sua câmera. Enquanto nos tiravam de lá através de jardins destruídos e desativavam as minas, mais três ou quatro mísseis atingiram o quarteirão por onde caminhávamos.

O que sentiu naquele momento?

Logo me veio à cabeça que a situação era grave, estavam atirando para matar e eu precisava me concentrar para escapar dos disparos.

Depois, o mais complicado foi falar com os parentes, quando, no dia seguinte, eles viram tudo pela televisão. Já tínhamos sobrevivido a tudo, mas, pelas imagens, eles tinham que vivenciar tudo aquilo novamente, a partir do zero. Liguei para meus parentes, disse que os pés, a cabeça – estava tudo no lugar. Falei para não se preocuparem, pois tudo o que veriam já fazia parte do passado.

Você também encontrou com o piloto do Su-24 derrubado pelas forças turcas...

Ele não estava gravemente ferido, ficava em pé. Foi realmente ele quem deu a entrevista apresentada na imprensa. O seu rosto não foi mostrado por motivo de segurança, incluindo a segurança de sua família. O resto será informado pelo Ministério da Defesa.

De que forma a situação na Síria mudou após a intervenção russa?

Atualmente, a situação pode ser chamada de positiva para o Exército sírio e seus aliados, pois estão avançando em várias frentes, incluindo pelo norte de Latakia [no nordeste da Síria].

Tréguas estão sendo discutidas em paralelo, e esses avanços serão um excelente fator auxiliar para o início do processo político. Mas agora a prioridade consiste no combate ao terrorismo. Quando forem colocados pontos finais mais sólidos, então será possível falar sobre o avanço do processo político com base no Comunicado de Genebra e dos acordos de Viena.

Como os sírios comuns estão reagindo à presença russa?

Em Latakia, Homs, Tartus e Jableh, nos lugares onde estivemos, as pessoas estão contentes, gratas. Mas é preciso entender que, após cinco anos de guerra, qualquer que seja a alegria despertada pelo fato de que os russos vieram, o pesar permanece: há mortos por toda parte. Para as pessoas, a chegada dos russos não irá compensar as crianças mortas em ambos os lados do conflito.

Nem todos da oposição são terroristas. Por isso, é possível que a intervenção da Rússia acelere o processo político. Finalmente surgiu uma esperança para as pessoas. Elas estão satisfeitas? É difícil dizer. A libra síria está perdendo valor, o custo de vida sobe, não há dinheiro, há pouco trabalho e o inverno está na soleira da porta.

Por que você decidiu voltar a Moscou?

Nossas fotos publicadas na mídia russa foram postadas em um dos sites da chamada oposição moderada síria com a legenda: “Jornalistas russos foram feridos durante agressão russa contra o povo sírio”. Depois vinham os comentários: “Não morreram, temos que terminar o serviço”.

Os nossos rostos se tornaram reconhecíveis, e as ameaças endereçadas a jornalistas russos foram explicitadas várias vezes. Analisamos a situação e foi decidido que seria melhor a gente não se expor ao risco, nem os nossos colegas, pois estávamos atraindo a atenção não só para nós, mas também para o grupo todo.

A segunda razão do meu retorno foi que os nossos médicos na Síria não conseguiram retirar um dos estilhaços – ele se instalou profundamente na região da axila. Precisei ser operado em um hospital militar em Moscou.

Você retornaria à Síria depois da recuperação?

Por enquanto, a Síria se fechou para mim. Pode ser que o processo político se inicie depois do Ano Novo. Tenho um bom relacionamento com o governo sírio e com todos os seus negociadores que atuam junto ao pessoal da oposição. Por ora, vou me ocupar desse tema.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.