Dez fatos sobre o cruzador de mísseis Moskva

Moskva oferece cobertura do sul da Turquia até Latakia, no noroeste da Síria

Moskva oferece cobertura do sul da Turquia até Latakia, no noroeste da Síria

EPA / Vostock-photo
Navio foi posicionado no litoral sírio, desde derrubada de avião, para defender a Força Aérea russa de novas ameaças. Veja como isso será possível.

1. É o principal navio do Projeto 1164, de cruzadores de mísseis guiados, da Marinha russa. Concebido em 1976 em um estaleiro de Nikoláiev, foi batizado de Slava (“Glória”).

2. Trata-se basicamente de uma versão naval do sistema de defesa antiaérea S-300. Além de mísseis, o navio está equipado com morteiros antissubmarino e torpedos.

3. O Moskva é conhecido em diversos países como o “destruidor de porta-aviões”. O apelido é inspirado nos dezesseis mísseis antinavio SS-N-12 Sandbox montados na superestrutura.

4. Foi utilizado pela delegação soviética durante a Conferência de Malta (2 e 3 de dezembro de 1989), que reuniu Mikhail Gorbachev e George H. W. Bush. As más condições do tempo e o mar agitado resultaram no cancelamento ou adiamento de algumas reuniões. O encontro ficou conhecido na mídia internacional como a “Conferência da Náusea”.

5. Slava voltou à ativa como Moskva em abril de 2000, substituindo o Almirante Golovko como navio-almirante da frota russa no mar Negro.

6. A tripulação do Moskva dispõe de todas as facilidades para o dia a dia, inclusive para os momentos de descansado nos longos períodos no mar: TV, rádio, meios de comunicação, posto médico, biblioteca, sala de cinema, lavanderia, padaria, cabeleireiro, academia e até sauna.

The Russian guided missile cruiser Moskva arrives to the coast of Latakia to provide air defense. Video screen grab. Foto: TASS
Cruzador de mísseis Moskva na chegada à costa de Latakia, no noroeste da Síria Foto: TASS

7. A elevada ponte de voo na popa permite a operação de helicópteros Ka-25 ou Ka-27, ambos desenvolvidos para transbordo e guerra antissubmarina.

8. O Moskva atuou em uma batalha na costa da Abecásia, durante a Guerra Russo-Georgiana, em 2008. Na ocasião, quatro navios lança-mísseis georgianos violaram a zona de segurança declarada ao redor dos navios da Marinha russa na Abecásia. As unidades russas abriram fogo de artilharia, afundando um dos navios e forçando as três embarcações georgianas remanescentes a recuar. Essa foi a primeira batalha naval da Marinha russa desde 1945.

9. No mês passado, o cruzador passou a reforçar o combate ao Estado Islâmico (EI). Um Moskva foi enviado para o litoral da fronteira entre a Síria e a Turquia em resposta à derrubada do bombardeiro russo Sukhôi-24 pela aviação turca.

10. O cruzador Moskva oferece cobertura do sul da Turquia até Latakia, no noroeste da Síria, e garante a segurança dos aviões russos. A defesa se deve também ao armamento do cruzador:
- 16 mísseis P-500 Bazalt ou mísseis antinavio P-1000 Vulkan;
- 8 × 8 (64) mísseis terra-ar de longo alcance S-300PMU Favorit (SA-N-6 Grumble);
- 2 × 20 (40) do 9K33M “Osa-M” (conhecido como SA-N-4 “Gecko” pela Otan), a versão naval do sistema de mísseis terra-ar;
- 1 canhão duplo AK-130 130mm/L70;
- 6 sistemas de armas de defesa próxima navais AK-630;
- 2 morteiros antissubmarino RBU-6000;
- 10 tubos de torpedo (2 quin) 533mm.


Fonte: vexed123

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.