Estados Unidos aliviam sanções contra serviço de segurança russo

Praça Lubyanka, em Moscou, onde está localizada a sede do FSB

Praça Lubyanka, em Moscou, onde está localizada a sede do FSB

AP
Algumas proibições permaneceram, como a restrição para exportação e transferência de mercadoria e de tecnologia para Crimeia. Continua proibido também a transferência de dinheiro para contas russas que haviam sido congeladas. Segundo agência de notícias, a liberação ajuda empresas americanas.

O Departamento de Tesouro dos Estados Unidos atenuou sanções contra o FSB (Serviço Federal de Segurança da Rússia, órgão que substituiu a KGB) na última quinta-feira (2). A publicação do documento, intitulado de “Licença Geral 1” (Cyber-related General License 1, em inglês), foi feita pelo Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros e atenua sanções introduzidas pela administração do ex-presidente Barack Obama.

O documento permite todas as transações e contatos com o FSB que haviam sido proibidas por Obama em 1º de abril de 2015. Isso inclui solicitação, compra e utilização de documentos emitidos pelo FSB para fins de importação, distribuição e uso de produtos de tecnologias da informação.

De acordo com a agência de notícias russa RBC, a liberação foi feita para eliminar os riscos para as empresas norte-americanas. De acordo com a legislação russa, a importação de todos os tipos de dispositivos eletrônicos com a função de criptografia (incluindo telefones celulares) deve ser acordada com o FSB.

Em dezembro de 2016, Obama acusou a Rússia de interferência na campanha eleitoral nos EUA e proibiu todos os tipos de contatos com o FSB. A sanção criou problemas potenciais para os fabricantes de dispositivos eletrônicos americanos.

De acordo com o documento, o FSB não pode ganhar mais de US$ 5 mil por ano com a venda de licenças e certificados para os produtos americanos.

Além disso, é proibida a exportação, reexportação ou fornecimento de qualquer mercadoria ou tecnologia para a Crimeia. Também foi mantida a restrição para transferências para contas russas congeladas em sanções financeiras anteriores.

O porta-voz do presidente russo, Dmítri Peskov, falou reservadamente sobre a decisão do governo norte-americano. Em entrevista à agência de notícias TASS, ele observou que Washington nunca introduz quaisquer sanções que possam afetar interesses vitais dos Estados Unidos.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.