Tribunal de Moscou condena Naválni a 30 dias de prisão

Nos próximos dois dias, a defesa vai entrar com recurso para que Naválni deixe a prisão.

Nos próximos dois dias, a defesa vai entrar com recurso para que Naválni deixe a prisão.

Reuters
Oposicionista Aleksêi Naválni, que organizou protestos contra corrupção em 187 cidades russas, foi detido antes de chegar à manifestação em Moscou.

Na última segunda-feira (12), o principal opositor do governo de Vladimir Pútin, Aleksêi Naválni, foi condenado a 30 dias de prisão administrativa por organizar protestos anticorrupção, sem ter autorização oficial.

Naválni foi detido na porta de sua casa, em Moscou, antes de se dirigir à manifestação na capital russa.

O protesto planejado na avenida Sakharov, em Moscou, chegou a ser aprovado pelas autoridades. Mas 17 horas antes do início Naválni publicou um vídeo no YouTube com um apelo de “emergência”: ele pedia aos seguidores para irem à rua Tverskaya, no centro, por causa da recusa das autoridades em fornecer palco e som no local autorizado.

A mensagem foi considerada uma "provocação" pelo Gabinete da Procuradoria-Geral, pois nesta rua aconteciam as comemorações do Dia da Rússia. O porta-voz do Kremlin, Dmítri Peskov, disse ao canal de televisão Dojd que "era vital evitar as provocações".

O advogado de Naválni, Dmítri Têrekhov, declarou à agência de notícias TASS que, nos próximos dois dias, a defesa vai entrar com recurso para que ele deixe a prisão.

Mas  o advogado reconheceu que o Tribunal Municipal de Moscou não deverá alterar a decisão. Nesse caso, segundo ele, a defesa pretende recorrer ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.