Jornais britânicos ligam Moscou a radiação detectada na Europa

Usina nuclear de Kola, no norte da Rússia

Usina nuclear de Kola, no norte da Rússia

Roman Denisov/RIA Nôvosti
Descoberta de vestígios de iodo-131 gera especulação sobre possível teste nuclear russo ou acidente em uma usina nuclear do país. Cientistas, porém, acreditam que o vazamento possa ter partido de uma fábrica de medicamentos no Leste Europeu.

A notícia sobre a detecção de material radiativo iodo-131 em diversos países da Europa suscitou acusações a Moscou por  jornais britânicos. 

Segundo o “The Independent”, a descoberta do isótopo poderia estar ligada ao “lançamento secreto de um míssil nuclear russo”; o “The Sun”, por sua vez, mencionou a possibilidade de testes nucleares em Novaia Zemlia, no Ártico russo.

O iodo-131, que é produzido pelo homem, e não ocorre na natureza, foi inicialmente detectado na segunda semana de janeiro por estações na Noruega, ao longo da fronteira com península russa de Kola. Nas semanas seguintes, vestígios de iodo radioativo se espalharam por diversos países europeus, da Polônia à Espanha.

No entanto, os níveis detectados “não levantam preocupação para seres humanos ou o meio ambiente”, afirmou Astrid Liland, da Autoridade Norueguesa de Proteção à Radiação, em entrevista ao jornal norueguês “Barents Observer”.

“Por isso, acreditamos que isso não deveria ser notícia”, acrescentou.

A medição feita em vários locais da Europa indica que a radiação teria chegado a partir do leste do continente. Mas, como nenhuma outra substância radioativa foi detectada, Liland acredita ser mais provável que o vazamento tenha origem em uma empresa farmacêutica que fabrique drogas oncológicas.

EUA negam versão

Entre as evidências apresentadas pelo britânico “The Independent”, um avião americano WC-135, geralmente usado para monitorar o nível de radiação atmosférica, teria repentinamente pousado na base aérea de Surrey, no Reino Unido.

A informação foi confirmada pela Força Aérea Americana, que informou que o avião estaria a caminho da Noruega e do mar de Barents, ao norte da Rússia. No entanto, segundo militares norte-americanos, o veículo foi posicionado na Europa conforme planos definidos “muito antes da notícia sobre a radiação de iodo-131”.

“O WC-135 realiza missões rotineiras no mundo inteiro, e nós não vamos entrar em detalhes”, declarou um representante da Força Aérea dos EUA.

O último teste nuclear subterrâneo conduzido pela Rússia ocorreu em 1990. Seis anos depois, Moscou assinou e ratificou o Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares (CTBT), e não há informações oficiais que sugiram uma possível revisão do acordo por parte do Kremlin.

Especialistas alegam ainda que as estações de monitoramento sísmico poderiam facilmente registrar testes subterrâneos, uma vez que os tremores são visíveis.

Mil vezes mais fraco que Fukushima

O nível de iodo-131 detectado na Europa é mil vezes menores que o identificado no acidente com a usina de Fukushima, no Japão, e não apresenta risco à saúde de seres humanos, confirma Aleksandr Uvarov, editor-chefe do portal russo Atominfo.

Segundo o especialista em questões nucleares, o iodo tem meia-vida curta, de apenas alguns dias, e isso torna quase impossível determinar a origem do vazamento. No entanto, a possibilidade de testes nucleares é descartada por ele.

“Quando um teste nuclear é realizado, ele produz não só iodo, mas toda uma variedade de outros isótopos”, explica Uvarov, acrescentando que o mesmo se aplica aos acidentes envolvendo submarinos nucleares.

Nas condições atuais, também seria  “impossível” realizar testes nucleares sem que outros países tomem ciência, acredita Dmítri Ievstafiev, professor na Escola Superior de Economia, em Moscou, e especialista em não proliferação nuclear.

“Os testes nucleares não poderiam ser retomados sem preparativos colossais. [...] Com a transparência oferecida por satélites, não seria possível enviar equipamentos e pessoal para Novaia Zemlia sem ser notado, e os preparativos para os testes seriam percebidos meses antes de começarem”, diz Ievstafiev.

Vazamento em 2011

Especialistas também não acreditam que a radiação esteja relacionada com a usina nuclear russa na região de Murmansk, na fronteira com a Noruega, ou com quebra-gelos nucleares russos posicionados no Ártico.

De acordo com a Bellona, uma ONG internacional voltada a questões ecológicas, os engenheiros nucleares em Murmansk insistem que não houve qualquer vazamento de radiação e que “há poucos motivos para não acreditar neles”.

Assim como Liland, da Autoridade Norueguesa de Proteção à Radiação, os observadores russos acreditam que a liberação de um único isótopo aponta para um acidente industrial, possivelmente de uma fábrica de produtos radiofarmacêuticos.

“A Europa tem investido em medicina nuclear e há muitas dessas instalações”, diz Uvarov. Em 2011, houve vazamento de iodo-131 em um instituto húngaro envolvido na produção de isótopos para fins médicos.

Vista aérea da Academia Húngara de Ciências, que abriga a fabricante de isótopos Izotop Intezet, em Budapeste (Foto: Reuters)Vista aérea da Academia Húngara de Ciências, que abriga a fabricante de isótopos Izotop Intezet, em Budapeste (Foto: Reuters)

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.