Kaspersky Lab confirma prisão de funcionário por traição de Estado

Sede da fabricante de antivírus Kaspersky Lab, em Moscou

Sede da fabricante de antivírus Kaspersky Lab, em Moscou

Reuters
De acordo com fontes, homem é acusado de traição de Estado em processo que já resultou na detenção de um dos diretores do Serviço Federal de Segurança (FSB).

A assessoria de imprensa da fabricante de antivírus Kaspersky Lab confirmou na quarta-feira (25) a prisão do diretor da equipe de investigação de incidentes de computadores da empresa, Ruslan Stoianov. Segundo a desenvolvedora, o caso não tem relação com a empresa ou suas atividades.

Em comentários ao canal de televisão Russia Today, a assessoria da Kaspersky Lab destacou também que Stoianov não ocupava posição de liderança na empresa, embora chefiasse um de seus departamentos. Além disso, segundo o porta-voz, Stoianov não era empregado da empresa quando o processo penal foi instaurado contra ele.

Empresas de internet em choque

Stoianov foi preso em dezembro passado, assim como Sergei Mikhailov, vice-chefe do Centro de Segurança da Informação do Serviço Federal de Segurança (FSB, na sigla em russo). Ambos enfrentam acusações de traição de Estado, por suposta revelação de segredos, informou o jornal “Kommersant”, citando uma fonte no FSB.

O FSB está analisando as relações do centro com empresas privadas que colaboraram com o departamento de investigações de crimes cibernéticos. Acredita-se que alguns funcionários tenham recebido dinheiro de organizações estrangeiras.

Mikhailov era um dos principais funcionários do centro que “basicamente cuidava de todo o negócio de internet no país”, publicou o “Kommersant”.

Devido à importância de Mikhailov, as prisões vêm repercutindo nas comunidades de segurança eletrônica e comércio eletrônico da Rússia, que se veem, segundo analistas, obrigadas a reconstruir suas relações com o governo.

Nos últimos anos, o departamento de investigação de incidentes de computadores da Kaspersky Lab vem colaborando estreitamente com o FSB e com o Ministério do Interior russo na investigação de crimes cibernéticos.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.