Senadores americanos propõem sanções mais duras contra Moscou

Documento ainda deverá ser aprovado por ambas as casas do Congresso americano

Documento ainda deverá ser aprovado por ambas as casas do Congresso americano

Scrumshus/ wikipedia.org
Aliança bipartidária de dez senadores —republicanos e democratas— propõe projeto de lei em retaliação à suposta participação russa no processo eleitoral americano; restrições incluem investimentos, exportações e congelamento de bens; apresentação do projeto acontece dias antes da posse de Trump, que ainda terá de aprová-lo.

Cinco senadores republicanos e cinco democratas americanos [John McCain, Lindsey Graham, Marco Rubio, Ben Sasse e Rob Portman; e Ben Cardin, Robert Menendez, Jeanne Shaheen, Amy Klobuchar e Richard Durbin] apresentaram hoje um projeto da lei que prevê a introdução de sanções “de segundo nível” contra a Rússia. 

As novas medidas restritivas, propostas como uma resposta firme ao relatório dos serviços de inteligência americanos sobre a participação russa no processo eleitoral dos EUA, poderão afetar não apenas os cidadãos e residentes dos Estados Unidos, mas também cidadãos e empresas de terceiros países que investem na Rússia.

Intitulado “Countering Russian Hostilities Act of 2017”, o projeto de lei foi apresentado um dia antes da data de confirmação do novo secretário de Estado, Rex Tillerson, no próprio Senado. Tillerson trabalhou por muitos anos com o governo de Pútin quando foi CEO da Exxon Mobil.

O documento deverá ainda ser aprovado por ambas as casas do Congresso e assinado pelo presidente americano após sua posse, dia 20 de janeiro.

O projeto imporá sanções aos que se envolverem com os setores de defesa ou inteligência russos, o que poderia afetar empresas internacionais que fazem negócios com a Rússia. Ele também transforma em lei sanções contra a Rússia que o presidente Barack Obama impôs via ordem executiva no final do mês passado.

O projeto de lei implica a introdução das sanções contra as pessoas físicas e jurídicas que investirem mais de US$ 20 milhões ou venderem “bens, serviços, tecnologias ou informações que beneficiem a produção de matérias-primas na Rússia” no valor de US$ 5 milhões por ano.

As sanções afetarão as empresas e pessoas que investirem mais de US$ 5 milhões na construção de gasodutos e mais de US$ 1 milhão no desenvolvimento de projetos nucleares civis na Rússia.

Além disso, o projeto de lei inclui novas sanções de exportação, proíbe receber empréstimos das instituições financeiras americanas e internacionais, restringe trabalho em nome do governo dos EUA, restringe as transações em moeda estrangeira, compra e venda de imóveis nos Estados Unidos e o investimento nas empresas pertencentes aos violadores das novas regras.

Segundo o documento, autoriza o gasto de US$ 100 milhões em medidas contra-propaganda russa.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.