Kremlin nega ter documentos comprometedores sobre Trump

Vídeos com orgias em Moscou seriam usados para chantagear Trump, diz relatório

Vídeos com orgias em Moscou seriam usados para chantagear Trump, diz relatório

AP
Novas denúncias foram “fabricadas” e visam a perpetuar crise entre os dois países, segundo o porta-voz da presidência russa, Dmítri Peskov.

O Kremlin não possui materiais comprometedores sobre o presidente eleito dos EUA, Donald Trump, nem sobre sua ex-adversária na corrida eleitoral, Hillary Clinton, informou o porta-voz da presidência russa, Dmítri Peskov, nesta quarta-feira (11).

“Essa é uma informação falsa, fabricada e sem sentido. O Kremlin não se envolve em reunir materiais comprometedores”, disse Peskov.

A declaração do porta-voz vem na esteira de um documento secreto divulgado pela imprensa americana na terça-feira (10), segundo o qual os serviços de inteligência russa teriam apoiado e ajudado o republicano durante vários anos.

Ainda segundo o material, o Kremlin teria reunido informações pessoais e financeiras que comprometeriam o futuro presidente dos EUA.

“Isso é ficção policial”, disse Peskov, acrescentando que a publicação “é uma tentativa óbvia de prejudicar nossas relações bilaterais”.

“A continuidade dessa postura histérica tem por objetivo deixar as relações russo-americanas no curso da degradação e não permitir que ninguém simplesmente pense sobre o quanto isso corresponde aos interesses de ambos os países e quanto isso corresponde aos interesses da Comunidade global”, acrescentou o russo.

Em sua página no Twitter, o presidente eleito dos Estados Unidos chamou o assunto de “notícias falsas –total caça às bruxas política”.

Orgias e chantagem

De acordo com informações veiculadas pelo canal CNN, chefes de inteligência norte-americanos informaram a Trump, na última sexta-feira (6), sobre a evidência de que agentes russos tinham informações pessoais e financeiras comprometedores sobre ele.

As alegações, provenientes de memorandos compilados por um ex-agente de inteligência britânico, foram apresentadas em um anexo de duas páginas ao relatório anterior sobre a suposta interferência da Rússia nas eleições presidenciais dos EUA.

Entre as denúncias apresentadas, o relatório sugere que os russos teriam vídeos de Trump em orgias com prostitutas em hotéis em Moscou, além de provas de que o presidente eleito tenha recebido informações coletadas pelo Kremlin sobre o Partido Democrata, incluindo Hillary Clinton, e outros rivais políticos.

Uma cópia do documento foi também publicada pelo site de notícias on-line BuzzFeed, alegando que as informações não haviam sido verificadas.

Com as agências de notícias

Gostaria de receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.