EUA ampliam sanções e expulsam 35 diplomatas russos

Obama condenou o que chamou de “violação das normas internacionais”

Obama condenou o que chamou de “violação das normas internacionais”

AP
Obama reforçou medidas contra Rússia por alegada interferência russa em eleições. Kremlin avalia resposta “correspondente”, segundo porta-voz.

Washington impôs novas sanções contra a Rússia por supostos ataques cibernéticos durante o sistema eleitoral dos EUA, informou o Departamento do Tesouro norte-americano nesta quinta-feira (29). Entre as medidas está prevista a expulsão de 35 diplomatas russos de Washington e São Francisco.

O presidente americano, Barack Obama, declarou em um comunicado que as medidas são “uma resposta necessária e apropriada aos esforços para prejudicar os interesses dos EUA em violação das normas internacionais estabelecidas de comportamento”.

Segundo ele, as sanções também vêm em resposta ao “assédio agressivo do governo russo contra oficiais norte-americanos”. “Essas ações foram seguidas de repetidas advertências privadas e públicas que emitimos para o governo russo”, disse Obama.

Cinco russos que trabalham no serviço de inteligência militar da Rússia (GRU) – Vladímir Alekseiev, Serguêi Gizunov, Evguêni Bogatchev, Ígor Korobov e Ígor Kostiukov – foram inseridos na lista negra das sanções.

Uma fonte anônimo no governo dos EUA disse à agência Reuters que os diplomatas receberam 72 horas para sair do país.

Washington também informou a Moscou que negará acesso a dois complexos recreativos nos Estados Unidos de propriedade da Rússia.

Resposta russa

A Rússia responderá ao movimento dos EUA, disse o vice-presidente do comitê de política externa no Senado russo, Vladímir Djabarov, à TASS.

“Vocês percebem, é claro, que haverá medidas recíprocos, e a embaixada dos EUA em Moscou e, possivelmente, os consulados também serão reduzidos”, disse.

O porta-voz do Kremlin, Dmítri Peskov, declarou que as novas sanções “destroem as relações diplomáticas com a Rússia”, embora não tenha certeza de que o presidente eleito Donald Trump aprove a decisão.

A Rússia irá “certamente responder de modo correspondente” conforme decisões adotadas por Pútin, acrescentou Peskov.

Segundo a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zákharova, Obama depreciou seu país e seu povo quando decidiu expulsar diplomatas russos nos últimos dias de seu mandato. 

“Hoje os EUA e o povo americano foram menosprezados por seu próprio presidente, desta vez Washington foi golpeada por seu próprio líder, que maximizou o número de problemas urgentes da próxima equipe”, escreveu Zakhárova em sua página no Facebook na noite desta quinta.

“Declarações oficiais, contramedidas e muitas outras coisas seguirão amanhã”, acrescentou a porta-voz.

Em sua conta no Twitter, a embaixada russa no Reino Unido se referiu à expulsão dos diplomatas russos como um “deja vu da Guerra Fria”.

Com a agência de notícias Tass

Gostaria de receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.