Pútin abole Distrito Federal da Crimeia

Medida tomada por Pútin deve simplificar interação entre o governo da península e o federal

Medida tomada por Pútin deve simplificar interação entre o governo da península e o federal

Mikhail Metzel/TASS
Presidente russo altera sistema de gestão da Crimeia, incluindo-a no distrito federal do Sul. Analistas políticos explicam as diversas razões por trás de tal decisão.

A decisão do presidente da Rússia, Vladímir Pútin, de demitir diversas autoridades de alto escalão e reformular o governo da Crimeia, transformando-a em território do Distrito Federal do Sul, na última quinta-feira (28), gerou bastante especulação.

Segundo a ordem emitida por Pútin, os distritos federais da Crimeia (criado na primavera de 2014, após a reintegração da península à Rússia) e do Sul passam a compor uma única estrutura federal. 

Perda de exclusividade

A junção dos distritos da Crimeia e do Sul visa a aumentar a eficácia da administração da península, declarou o porta-voz do presidente russo, Dmítri Peskov. Uma vez que ambas as regiões estariam enfrentando problemas semelhantes, acredita-se, segundo Peskov, que será mais fácil resolvê-los no âmbito de um governo único.

Analistas políticos russos alegam ainda que a criação de um distrito especial para a Crimeia foi uma medida temporária durante o período de integração da península.

“A península perdeu sua exclusividade e se tornará uma região normal russa”, explica o diretor da Agência de Comunicações Políticas e Econômicas, Dmítri Orlov, ao destacar o fim do processo de adaptação da Crimeia à jurisdição russa.

Os observadores destacam, porém, que a liquidação do Distrito da Crimeia não levará à redução de interesse pela península ou seu financiamento.

“O status da Crimeia e de Sevastopol não é reconhecido pelo Ocidente e pela Ucrânia. O governo precisa manter o grau de satisfação da população a um nível aceitável para excluir o desejo de voltar à Ucrânia”, sugere Pável Sviatenkov, pesquisador do Instituto da Estratégia Nacional.

Interação com Kremlin

Entre os políticos também consenso de que a união da Crimeia ao Distrito do Sul simplificará a interação entre o governo da península e o federal.

Prova disso, segundo o membro do Conselho da Associação de Analistas Políticos, Mikhail Mizúlin, seria o fato de o novo distrito ser comandado por Vladímir Ustinov, que mantém uma relação estreita com a alta cúpula do governo desde os anos 2000.

Ustinov, que assumiu a procuradoria-geral da Rússia entre 2000 e 2006, foi responsável por diversos casos de grande importância para o Kremlin, como o processo contra a petrolífera Yukos, a investigação do acidente com o submarino Kursk e diversas ações contra guerrilheiros tchetchenos.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.