Participação de Kiev em manobras da Otan gera alerta no Kremlin

Poltorak (centro) aguardando início da cúpula Otan-Ucrânia, em Bruxelas

Poltorak (centro) aguardando início da cúpula Otan-Ucrânia, em Bruxelas

AP
Missão conjunta no mar Negro será tratada com ‘seriedade e prudência’, diz vice-chanceler russo. Especialistas afastam, porém, possibilidade de atrito direto.

Em declaração após a cúpula de Otan, na semana passada, o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo destacou sua preocupação em relação aos planos da Ucrânia de se unir a Turquia, Romênia e Bulgária no patrulhamento do mar Negro, que também banha a Rússia, e declarou que a pasta tratará a questão “com toda a seriedade e a prudência necessárias”.

O anúncio da missão foi feito pelo ministro da Defesa da Ucrânia, Stepan Poltorak, que, durante o evento, apresentou um roteiro para as reformas no setor militar. A meta é, até 2020, melhorar as condições do Exército ucraniano e igualá-los aos padrões da Aliança Ocidental. Alguns países do bloco se propuseram a conceder assistência financeira para Kiev.

“Acompanhamos atentamente esse debate e esperamos que isso não leve a um aumento dos riscos na região. Reservamo-nos o direito de tomar as contramedidas adequadas”, declarou à agência de notícias RIA Nôvosti o vice-chanceler russo, Grigóri Karasin.

Kiev pós-URSS

Há algum tempo que a Ucrânia declara seu desejo de aderir à Otan e tornar-se parte da União Europeia. Segundo os especialistas, o país estaria aproveitando agora a oportunidade de participar das manobras militares do bloco para mostrar seu compromisso político.

No entanto, devido à falta de financiamento e à manutenção precária de seus navios, a frota ucraniana, que não passou por grandes renovações desde a queda da União Soviética, há 25 anos, encontra-se em condições inadequadas.

“A frota da Ucrânia não tem seu antigo potencial e requer um grande investimento para modernização. Tem alguns navios capazes de executar certas missões militares. Mas, essencialmente, restou a Kiev apenas o seu carro-chefe, o Hetman Sahaidatchni, o único navio que poderia estar envolvido em tais manobras. O resto da frota é composta por pequenos barcos de patrulha”, explicou à Gazeta Russa o observador militar do jornal “Izvéstia” Dmítri Safonov.

Segundo o especialista, as manobras de navios da Otan e da Rússia no mar Negro são como “navegar em uma piscina pequena na qual as pontas das embarcações colidem umas contra as outras o tempo todo”.

Moscou sob alerta

Apesar da iniciativa ucraniana, a Rússia não tomará qualquer medida drástica ou imprudente, e continuará modernização da infraestrutura militar na Crimeia, de acordo com o coronel aposentado Viktor Litóvkin, também especialista militar da agência Tass.

“Eles adotaram uma série de medidas para reforçar a segurança das fronteiras da Rússia neste território, e agora ministro da Defesa, Serguêi Choigu, está, pessoalmente, inspecionando toda a infraestrutura militar da península”, diz Litóvkin.

O governo russo modernizou parque de aviação de combate na península e enviou para a região aeronaves Su-30SM, de quarta geração, que podem lançar mísseis antinavio.

Além disso, foram implantados na Crimeia sistemas de mísseis costeiros com mísseis de cruzeiro Bal e Bastion, capazes de abater alvos fora do Estreito de Bósforo (que liga os mares Negro e Mediterrâneo, e é controlado pela Turquia).

“A Rússia também está implantando radares de última geração que poderão controlar a situação aquática, subaquática e aérea na região. Estamos realizando uma modernização em larga escala da Frota do Mar Negro, que recentemente recebeu um submarino equipado com mísseis de cruzeiro Kalibr”, acrescenta o especialista.

Ainda segundo Litóvkin, em caso de extrema necessidade, Moscou poderia também implantar bombardeiros estratégicos de longo alcance Tu-22M3 na península.

Gostaria de receber as principais notícias sobre a Rússia no seu e-mail?   
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.