Rússia entra para o top 30 das potências de soft power

Da esq. à dir., Lavrov, Pútin e Kerry nos bastidores da 70ª Assembleia da ONU

Da esq. à dir., Lavrov, Pútin e Kerry nos bastidores da 70ª Assembleia da ONU

Mikhail Klimentiev/TASS
Cultura e engajamento em problemas globais foram pontos fortes de Moscou em pesquisa de agência britânica. Brasil caiu uma posição e ocupa 24º lugar no ranking.

A Rússia estreou no ranking dos 30 países mais influentes do mundo em termos de “soft power”, ou poder brando, de acordo com os dados compilados pela empresa de relações públicas britânica Portland Communications. O índice mede a capacidade dos países de influenciar outras nações por meio de diplomacia, cultura e valores sociais.

Enquanto a Rússia ficou no 27º lugar, um avanço em comparação com 2015, quando o país sequer figurou na lista, o Brasil caiu um degrau e garantiu a 24ª posição.

A categoria individual em que a Rússia ocupa melhor posição no ranking é a de “engajamento” (8º), o que denota diplomacia e influência na arena internacional. Isso porque, segundo os autores do estudo, Moscou e Washington têm exercido um papel-chave nos esforços para alcançar uma solução pacífica na Síria.

“A Rússia tem demonstrado sua capacidade não só para negociar, mas também para mudar a situação por ações precisas e bastante decisivas”, disse à Gazeta Russa o editor-chefe da revista “Russia in Global Affairs”, Fiódor Lukiánov. “Paradoxalmente, o instrumento de soft power da Rússia, neste caso, foi o seu poder militar.”

Entre os outros pontos fortes da Rússia, os autores do estudo destacaram a ampla cobertura dos meios de comunicação estatais voltados ao público internacional e a preservação de seu poder econômico, apesar da atual crise financeira no país.

A Portland Communications também deu especial ênfase à cultura russa, que “atrai mais de 29 milhões de turistas por ano”, lê-se no relatório. “Seja em história, arte ou literatura, a cultura russa é muito apreciada e estudada.”

Já no caso do Brasil, os responsáveis pela pesquisa creditaram a queda do país no ranking aos índices relacionados a governabilidade e educação, apesar da existência de “muitas ferramentas de soft power e de uma série de oportunidades para desenvolvimento” no país.

A lista anual publicada pela Portland Communications se baseia em índices de desenvolvimento de tecnologia da informação, cultura, ambiente de negócios, educação, governo e engajamento do país na resolução de problemas globais, bem como leva em conta pesquisas de opinião pública realizadas em todo o mundo.

Gostaria de receber as principais notícias sobre a Rússia no seu e-mail?   
Clique aqui para assinar nossa newsletter. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.