Kremlin rebate Obama e reforça compromisso antinuclear

Kremlin declarou que não discutirá implantação de ogivas na Crimeia

Kremlin declarou que não discutirá implantação de ogivas na Crimeia

Grigóri Sisoiev/TASS
Em artigo, presidente dos EUA acusou a Rússia de descumprir obrigações assumidas em termos de segurança nuclear. Afirmações são “infundadas”, segundo porta-voz russo.

O Kremlin respondeu nesta quinta-feira (31) às acusações feitas pelo presidente norte-americano Barack Obama de que a Rússia estaria violando as obrigações dispostas no Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), em vigor desde 1988.

“A Rússia mantém suas obrigações em relação ao Tratado INF e confirmamos nosso compromisso, por princípio, com o tratado”, disse o porta-voz do presidente russo, Dmítri Peskov, antes de classificar as alegações norte-americanas como “infundadas”.

Paralelamente, “a Rússia também tem uma série de questões quanto à implementação do tratado pelos EUA”, acrescentou Peskov, sem especificar os pontos de conflito. “Este assunto é para especialistas.”

O jornal “The Washington Post” publicou nesta quarta-feira (30), na véspera da Cúpula sobre Segurança Nuclear, em Washington, um artigo escrito por Obama no qual, entre outros tópicos, o líder norte-americano apela à Rússia para reduzir seu arsenal nuclear.

Sabe-se ainda que, durante a reunião internacional, o presidente ucraniano, Petrô Porochenko, tem a intenção de discutir os planos da Rússia de instalar armas nucleares na Crimeia, península reanexada ao país em 2014.

Porochenko aprovou recentemente um novo plano de segurança e defesa para o país.

Ainda segundo Peskov, o Kremlin não tem, porém, a intenção de debater a questão da implantação de ogivas nucleares na Crimeia.

“Uma vez que a Crimeia é uma região da Federação Russa, a Rússia, obviamente, não pretende discutir suas ações em seu próprio território, que são conduzidas em estrita conformidade com as normas e os princípios do direito internacional”, arrematou o porta-voz russo.

Embora a Rússia tenha optado por não participar da quarta e última Cúpula de Segurança Nuclear, que será realizada nesta quinta e sexta-feira (1º), o país havia garantido que a ausência não colocará em xeque o compromisso de implantar um regime de não proliferação nuclear.

A recusa russa em participar do evento se deve a determinadas iniciativas do grupo internacional que, segundo especialistas, são vistas por Moscou como uma tentativa de influenciar a agenda não apenas da AIEA, mas também da ONU, da Interpol e da Iniciativa Global de Combate ao Terrorismo Nucelar.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.