Rússia monitora circulação de combatentes na fronteira sírio-turca

Segundo Lavrov (dir.), tráfico de armas é intenso na fronteira da Turquia com dois enclaves curdos que são frequentemente alvos dos turcos quando lutam por posições do EI. Declarações foram dadas durante coletiva conjunta com vice-chanceler alemão Frank-Walter Steinmeier (esq.).

Segundo Lavrov (dir.), tráfico de armas é intenso na fronteira da Turquia com dois enclaves curdos que são frequentemente alvos dos turcos quando lutam por posições do EI. Declarações foram dadas durante coletiva conjunta com vice-chanceler alemão Frank-Walter Steinmeier (esq.).

Flick.com / MFA Russia
Números caíram após operações das Forças Aeroespaciais russas na região, segundo ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguêi Lavrov.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguêi Lavrov, anunciou, nesta quarta-feira (23), que o país continua a monitorar a circulação de combatentes e armas através da fronteira sírio-turca.

"Observamos o continuado tráfego por ela [a fronteira sírio-turca] em ambas as direções. Mas, após nossas Forças Aeroespaciais começaram a operação para por termo no contrabando ilegal, especialmente de petróleo e derivados, da Síria controlada pelo EI (Estado Islâmico) ao território da Turquia, o tráfico diminuiu", disse o ministro em coletiva conjunta com o vice-chanceler alemão Frank-Walter Steinmeier.

De acordo com Lavrov, em geral, "o fluxo não se extinguiu, mas tornou-se muito menor". "Além disso, ele se mantém, e é usado ativamente na fronteira entre dois enclaves curdos no norte da Síria. É justamente por isso que, quando os curdos tentam conquistar territórios do EI, há fogo por parte da artilharia do lado turco da fronteira contra as posições curdas, que impede sua luta contra a organização terrorista", disse.

"Prestamos atenção a todos esses fatos. Insistimos que a resolução do Conselho de Segurança que exige que se cesse qualquer comércio com o EI e outros terroristas - seja de petróleo ou artefatos - seja cumprida", completou.

Publicado originalmente pela agência de notícias Ria Nôvosti.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.