Rússia e Coreia do Norte assinam acordo para repatriar refugiados

Líder norte-coreano Kim Jong-un (centro) é frequentemente acusado de perseguir opositores

Líder norte-coreano Kim Jong-un (centro) é frequentemente acusado de perseguir opositores

AP
Acordo de reciprocidade estipula deportação de imigrantes ilegais entre os países. Dissidentes norte-coreanos seriam alvo de decisão, diz deputado da oposição.

O governo russo assinou um acordo com a Coreia do Norte para a deportação de imigrantes norte-coreanos que vivem ilegalmente no país, informou o deputado da oposição Dmítri Gudkov, em seu blog no site da rádio Ekho Moskvy.

O acordo prevê reciprocidade na “transferência e acolhimento [readmissão] de indivíduos que ilegalmente deixaram e ilegalmente vivem nos territórios da Federação Russa e da República Popular Democrática da Coreia”, lê-se em um comunicado divulgado pelo Serviço Federal de Migração da Rússia no início desta semana.

O processo de readmissão, segundo o documento, ajudará a reduzir o número de imigrantes ilegais que chegam tanto à Rússia como à Coreia do Norte.

Uma vez que são raros os casos de russos que fogem ilegalmente pela fronteira russo-norte-coreana, o acordo foi visto mais como uma garantia dada por Moscou de entregar dissidentes norte-coreanos que procuram refúgio na Rússia.

O anúncio da medida foi feito dias após o serviço de migração negar asilo temporário a um cidadão norte-coreano que alegava que a deportação significaria sua morte ou prisão em um dos “campos da morte” de sua terra natal, segundo informações da agência de notícias RBC.

“Agora há outro pretexto para deportá-lo – um acordo foi assinado”, escreveu Gudkov. “Oficialmente, [isso foi feito] para fortalecer os laços entre os países. (...) Fortalecer a amizade com sangue, de que outra forma.”

Publicado originalmente pelo The Moscow Times

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.