Khodorkóvski é procurado novamente pela polícia russa

Depois de cumprir dez anos em regime fechado, empresário hoje vive na Áustria. Agora, Comitê iNvestigativo da Rússia liga seu nome a assassinato de prefeito.

Depois de cumprir dez anos em regime fechado, empresário hoje vive na Áustria. Agora, Comitê iNvestigativo da Rússia liga seu nome a assassinato de prefeito.

Ria Novosti/Vasiliy Prokopenko
Tribunal apresentou acusação 'in absentia' de ex-magnata do petróleo.

O ex-proprietário da petrolífera Yukos, Mikhail Khodorkóvski publicou nesta terça-feira (8) em sua página no Twitter uma notificação sobre a intimação para depois como acusado na Rússia no processo penal N°18/35-03. Ele foi declarado procurado pelo Comitê de Investigação da Rússia, que passou a associar a Yukos ao assassinato de Vladímir Petukhov, prefeito de Nefteiugansk.

A notificação foi recebida por seu pai, que vive em Moscou, já que o empresário deixou o país no mesmo dia em que foi libertado, em 20 de dezembro de 2013, depois de cumprir 10 anos de regime fechado. Hoje, Khodorkóvski mora na Suíça e não retornou à terra natal sequer para o enterro da mãe, em meados de 2014.

Em 2007, o tribunal condenou Aleksêi Pitchúguin, ex-chefe do departamento de segurança econômica interna da Yukos, à prisão perpétua pelo assassinato do prefeito de Nefteiugansk, Vladímir Petukhov, entre outros crimes. A morte de Petukhov aconteceu em 26 de junho de 1998, aniversário de Khodorkóvski.

Segundo informações do Comitê de Investigações, o assassinato de Petukhov pode estar ligado a sua relação conflituosa com a Yukos. O prefeito pedia a abertura de um processo criminal contra a companhia, que, segundo ele, não pagava devidamente os impostos.

Acusação em andamento

O porta-voz do Comitê Investigativo da Rússia, Vladímir Márkin anunciou a abertura de investigação criminal da morte de Petukhov ainda em junho. Então, Márkin citou Khodorkóvski como possível mandante deste, "entre outros crimes graves".

"Acredito que sua ausênciade território russo não seré um obstáculo intransponível para conduzirmos todas as operações investigatórias com ele", disse Márkin.

A assessora de imprensa de Khodorkóvski, Olga Pispanen, declarou, em entrevista à rádio "Moscou fala", que o empresário não pretende se comunicar com os investigadores que trabalham no caso do assassinato do prefeito de Nefteiugansk.

Já o atual prefeito de Nefteiugansk, Farid Islamov, disse à agência de notícias Tass duvidar que Khodorkóvski seja condenado.

 "Gostaria que houvesse uma resolução legal e o tribunal disesse se ele teve participação ou não. O tempo mostrará tudo, as leis devem funcionar. As pessoas na região já esperam há tempos uma resposta sobre o por que o caso foi suspenso e um dos principais mandantes não foi condenado. Os condenados devem ser trazidos à Rússia e responder pelo que fizeram", diz Islamov.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.