Turquia abate caça russo na fronteira com a Síria

Destino de pilotos russos a bordo de caça abatido ainda não foi confirmado.

Destino de pilotos russos a bordo de caça abatido ainda não foi confirmado.

AFP/East News
O Ministério da Defesa russo confirmou a queda do caça Su-24, pouco depois de o governo turco anunciar o abate de um avião militar que teria violado o seu espaço aéreo.

A força aérea da Turquia abateu um avião militar russo perto da fronteira com a Síria nesta terça (24) por suposta violação de espaço aéreo. Segundo fontes militares turcas, os pilotos teriam sido avisados até dez vezes antes do ataque.

A queda do caça Su-24 foi confirmada por representantes do Ministério da Defesa russo, que nega as justificativas apresentadas pela liderança turca.

“Durante o voo, o avião permaneceu todo o tempo sobre o território da Síria”, declarou a pasta, afirmando ter provas de que o avião russo não deixou o espaço aéreo sírio.

O ministério declarou também que os pilotos teriam conseguido se ejetar e chegado ao solo de paraquedas. “O avião voava a 6 mil metros de altitude. De acordo com os dados preliminares, os pilotos conseguiram abandonar o avião”, anunciou a Defesa russa.

A rede de televisão turca CNNTÜRK, porém, divulgou que um dos pilotos havia morrido, e outro estaria sob custódia das milícias turcomanas, que se opõem ao regime do presidente sírio Bashar al-Assad.

O vídeo divulgado por outro canal turco, o NTV, mostra claramente a imagem de um avião em chamas que cai em um terreno arborizado. 

Paralelamente, o primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu, pediu ao o Ministério das Relações Exteriores do país informar a Otan e a Onu sobre a derrubada pela aviação turca de um caça russo na fronteira sírio-turca.

Trata-se do primeiro avião russo derrubado após o início de bombardeio de posições do Estado Islâmico (EI) na Síria, em 30 de setembro.

A Turquia, que se opõe à operação militar russa no país árabe, havia pedido a criação de uma zona de exclusão aérea sobre o território sírio junto à sua fronteira. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.